Dicas para criar um site

Aprenda com o Simpsons como fazer um vídeo de sucesso

Publicado por Júlio Rocha em 16/10/2015 às 15h55

simpsons

A cultura tem sempre muito a nos ensinar sobre a vida real, seja com séries sobre empreendedorismo, ou um filme que ensine sobre redes e sociais ou Os Simpsons. Sim, a série animada de quase trinta anos de duração tem muito a ensinar para empreendedores. A lição tirada dos Simpsons para o post de hoje é como fazer um vídeo de sucesso. Afinal, se existe uma produção audiovisual de sucesso, ela se chama Os Simpsons.

Ainda que a série não aborde esse assunto especificamente, quem já acompanhou a série pode reparar em uma série de elementos que ela usa naturalmente, mas que são os responsáveis pelo sucesso que dura há quase trinta anos, e sem previsão para acabar. Quer saber qual é o segredo para fazer um vídeo de sucesso? Então aprenda com os Simpsons!

  1. A abertura – talvez a maior marca registrada da animação seja a combinação da abertura com o tema da série. É simplesmente irresistível. Já no começo do episódio o espectador é cativado por uma sequência leve, engraçada, com uma música cativante e que muda levemente em todos os episódios. O que aprender com isso? Que é necessário fisgar a atenção do espectador já no começo do seu vídeo.
  2. simpsonsIdentidade – a série sobre trabalhar tão bem sua identidade, que é possível reconhecer seus personagens mesmo que eles sejam tirados de contexto. Pessoas amarelas, cabelos azuis ou da mesma cor da cabeça da pessoa, a paleta de cores características, as roupas dos personagens principais, o humor satírico... Tudo isso tem cara de Simpsons, não é? E é exatamente isso que se entende por identidade. Crie uma para seus vídeos e possibilite que o espectador o identifique em qualquer lugar.
  3. Público – como fazer um desenho (gênero geralmente associado a crianças) para adultos durar por trinta anos? Sabendo se adequar ao público! Para garantir seu público, Os Simpsons sempre fizeram críticas à política, sociedade e muitas referencias culturais. Nesses 30 anos, a crítica e as referências mudaram, mas continuaram existindo. E é isso o que você precisa fazer, saiba o que seu público quer consumir e não se acomode. Procure estar sempre em dia com o que eles estão pensando.
  4. História – se tem uma coisa que os Simpsons nunca tiveram medo de fazer é contar histórias absurdas, que tomam proporções sobre-humanas e, ainda assim, podem ser resolvidas no final. Quem não se lembra da grande redoma sobre Springfield na versão cinematográfica da animação? Não que você precise contar histórias absurdas em seus vídeos, mas utilizar de elementos de storytelling pode vir muito a calhar!
  5. Simplicidade – e todo o sucesso dos Simpsons veio de uma produção com traços simples, sem animações computadorizadas, com piadas fáceis e humor pastelão. Pois é isso o que o público quer, uma linguagem simples. Se for necessário passar uma hora tentando compreender os complexos roteiros, o público médio já desiste. E isso também vale para a sua produção de vídeos.

Há exemplo melhor do que Os Simpsons para estudar como fazer audiovisual de sucesso? A longevidade da série não é à toa! Aprendar com Homer e sua família, e produza os melhores vídeos para a sua empresa. E para mais mais dicas valiosas, continue seguindo o SitePX!

Compartilhar

7 séries de TV que dão aula de empreendedorismo

Publicado por Júlio Rocha em 14/10/2015 às 15h46

séries

O processo de aprendizado é mais fácil e relacionável quando se estuda exemplos. Com o empreendedorismo não poderia ser diferente. Sejam exemplos reais ou da ficção, o estudo de caso ajuda praticantes a identificar comportamentos que podem levar ao fracasso ou sucesso, aprendendo com erros e acertos dos personagens que ilustram a história.

E no caso da televisão, há excelentes exemplos tanto da vida real – como em documentários e reality shows – quanto da ficção, geralmente em obras sobre a vida de alguma figura importante ou mostrando os bastidores do mundo empreendedor. Na lista a seguir, confira exemplos da televisão (ou YouTube) de séries que mostram importantes lições para empreendedores, tanto iniciantes quanto em estágios avançados da carreira.

  1.        Silicon Valley – como não incluir na lista a série sobre um dos maiores polos empreendedores do mundo? Silicon Valley utiliza a sátira e a comédia para mostrar o cotidiano das mentes brilhantes que trabalham no famoso Vale do Silício. Com as situações hilárias da série, se aprende muito sobre startups, investimentos e como dar vida às grandes ideias.
  2.        Suits – outra série que utiliza a ficção para mostrar uma mente empreendedora, Suits conta a história de Harvey Spector, executivo de uma empresa de advocacia. Não focando apenas nos casos jurídicos, a série mostra como Harvey age para garantir que sua empresa se destaque entre as demais. Estudo de casos e da concorrência, por exemplo, são práticas adotadas pelo personagem.
  3.       tv Shark Tank – ou tanque de tubarões, se preferir traduzir o título. O reality show tem a premissa de jogar novos empreendedores em um tanque cheio de tubarões. Metaforicamente, é claro. Na série, os tubarões são investidores milionários e o tanque é um palco no qual o empreendedor deverá dar seu pitch para um projeto – dando detalhes estruturais e orçamentais – para que algum dos “tubarões” o escolha para receber o investimento.
  4.        Undercover Boss – um reality show com a premissa de ajudar donos de empresas a entenderem o que se passa no dia a dia de seus funcionários. Em Undercover Boss, a produção faz com que o CEO ou presidente da empresa passe um dia trabalhando disfarçado em algum setor mais baixo da empresa para analisar como os valores estão sendo prático lá dentro. Não apenas para espionar o desempenho dos funcionários, mas para entender o impacto de suas próprias decisões no ambiente de trabalho. O Fantástico está produzindo uma versão brasileira da série.
  5.        O Negócio – falando em produções nacionais, a série O Negócio da HBO traz de forma bem humorada visões muito inteligentes sobre empreendedorismo e negócios. A trama da série é sobre três acompanhantes de luxo que decidem por em prática tudo o que sabem sobre empreendedorismo. Sem julgamentos, a série dá uma valiosa aula de como conduzir um negócio – por mais inusitado que seja – e, ainda, valoriza a presença feminina no mercado empreendedor.
  6.        Meu Start – dando continuidade à parte brasileira da lista, Meu Start é, por sinal, a única dessas séries que passa na televisão aberta. Acompanhando o programa na Record News, você irá acompanhar o desempenho de empresas que começaram quase do nada e hoje são referências em sua área. Excelentes exemplos para se inspirar.
  7.        O Sócio – um reality show nacional com uma proposta muito inteligente! Marcus Lemonis, renomado empreendedor brasileiro, irá usar de sua própria verba para compra sua parte de empresas que não estão indo muito bem (cada episódio é uma empresa) e, tendo poderes de sócio, fará de tudo para por o empreendimento nos trilhos. Excelente forma de aprender possíveis erros que esteja cometendo com sua própria empresa.

Com essas séries, verá que aprender pode ser divertido! Especialmente com programas de tamanha qualidade como os citados aqui. Além de diversão, são muitas informações valiosas. Já assistiu alguma dessas? Conhece outras? Deixe seu comentário aqui no SitePX! E não se esqueça que para que sua empresa alcance o sucesso na internet é preciso saber como criar um site de sucesso.

Compartilhar

5 passos para atingir o melhor público

Publicado por Júlio Rocha em 09/10/2015 às 14h40

público-alvo

Nem todo público é bom. Não para todas as empresas, pelo menos. Um erro comum de empreendedores no mundo digital é direcionar seu marketing de conteúdo na tentativa de atingir o maior número de pessoas possível. Essa prática, no entanto, é oriunda de um pensamento ultrapassado de que “quanto mais, melhor”. Quando, na verdade, vale muito mais atingir 100 usuários bons do que 1000 aleatórios.

Já ouviu falar na Teoria da Cauda Longa? Essa teoria (que, por sinal, funciona muito bem na prática) foi proposta pelo americano Chris Anderson e consiste, basicamente, que a internet oferece a possibilidade de que qualquer produto que possua algum público, ainda que pequeno e segmentado, é capaz de encontrar seu espaço na internet. Justamente por que você pode se comunicar diretamente com esse público segmentado.

Se você vende instrumentos musicas, por exemplo, não tem porque direcionar seu marketing para todo o público da internet, sendo que ele é composto de pessoas muito variadas e que a maioria não toca nenhum instrumento, entende? Muito melhor direcionar seus esforços para 100 músicos do que para 1000 mil pessoas, que podem ser donas de casa, professores, advogados, pedreiros, crianças e adolescentes que não tenham contato com música.

É preciso, então, entender como direcionar diretamente para esse público segmentado. Basta seguir esses cinco passos:

  1.        públicoIdentifique quem é seu público agora – utilizando ferramentas analíticas, como o Google Analytics ou dados demográficos do Facebook, é possível descobrir gênero, idade, localidade, interesses e muito mais sobre a o público médio que acessa e curte o seu site. Depois dessa seleção preliminar, é interessante selecionar algumas amostrar e pedir para responderem questionários e enquetes. Assim, é possível conhecer melhor seu público.
  2.        Compare com o seu produto – os dados recolhidos durante a pesquisa estão de acordo com o que você vende? Caso não esteja, pode ser que seu marketing esteja direcionado para o público errado. Além disso, é possível estudar novas possiblidades para sua empresa. É necessário que o empreendedor seja criativo aqui.
  3.        Encontre o público certo – agora que já sabe quem está acessando seu site no momento e já comparou com o produto que está vendendo, é hora de expandir para o público bom. No começo desse texto está afirmado que qualidade vem antes de quantidade. Agora, é hora de aliar os dois itens. Descobrindo os gostos em comum de seus vários usuários, é possível praticar o marketing de conteúdo de forma a atingir mais pessoas que tenham os mesmos gostos.
  4.        Identifique seus concorrentes – por mais segmentada que seja sua área de atuação, com certeza há outra empresa buscando o mesmo público. É preciso saber quais são essas empresas, como elas estão se saindo no mercado e, também, o que elas têm praticado para chegar a essa posição, seja boa ou ruim.
  5.        Direcione o seu site para o público certo – agora é hora de adaptar o seu site ao público (nem tente o oposto!). Qual linguagem o público que você descobriu durante as pesquisas costuma usar? Formal ou informal? Gostam do colorido ou discreto? Sobre o que costuma ler e pesquisar? Responda essas perguntas e aplique as respostas sobre o conteúdo do site. Isso fará toda a diferença.

Depois, basta analisar as redes sociais mais adequadas para o seu negócio, como já ensinamos aqui. E começar a compartilhar! Lembre-se, qualidade antes da quantidade. E para mais dicas de como criar um site de sucesso, é só seguir o SitePX!

Compartilhar

O que há de bom e o que há ruim no Web Design?

Publicado por Júlio Rocha em 07/10/2015 às 11h57

web design

O Web Design é a arte de desenhar e montar sites de forma com que eles ofereçam, ao mesmo tempo, boa navegação e um visual agradável. Combinar os dois pode não ser tão fácil. Especialmente porque a internet é um ambiente em constante mutação e o que era bom até hoje, pode ser péssimo amanhã. Assim como o bonito pode ser tornar brega em instantes. Minimalista ou extravagante? Cada dia que passa tudo muda.

É muito importante, então, se manter sempre atualizado sobre as tendências comportamentais e se esforçar para saber que tipo de ação tem gerado mais conversão, quais itens deixam a navegação do site mais fluída e objetiva e, também, como é o site ideal para o seu público-alvo.  Para facilitar o seu processo de pesquisa, o SitePX separou que há de melhor e o pior no atual cenário do Web Design.

web designO que há de melhor no Web Design?

  •          Visual do texto – o texto não é apenas conteúdo e palavras! O tamanho e disposição das frases fazem toda a diferença na composição de um site. Assim como cores e a tipografia (escolha das fontes). Dessa forma, trabalhar com o texto gráfico é algo que pode despertar o interesse do público e, ainda, garantir a melhor navegação.
  •          User Experience – já comentamos aqui no SitePX a importância de valorizar a experiência do usuário acima de tudo. Afinal, o site é feito para ser direcionado ao público. Ao garantir a melhor experiência de usuário, é possível fidelizar o público e, de quebra, aumentar a taxa de conversão, já que a User Experience também consiste em direcionar o usuário pelo conteúdo.
  •          Conteúdo centrado – quando o objetivo é focar o site em um conteúdo curto e específico, o conteúdo centrado é a melhor opção de Web Design. Ou seja, o conteúdo fica localizado à direita da área central do site. O resto é preenchido com elementos visuais agradáveis, chamativos e de acordo com a identidade visual da marca.
  •          Conteúdo dividido – quando objetivo, no entanto, é trabalhar com muito conteúdo de diferentes categorias e áreas, outro formato deve ser estudado. Dividir o conteúdo em seções – sendo que cada uma pode ter uma própria identidade – oferece oportunidades criativas interessantes para o designer, além de ficar visualmente bonito.

O que há de pior no Web Design?

  •          Rolagens excessivas – um dos efeitos de transição que se popularizou com o Facebook e o Tumblr foi a rolagem “infinita”. Por mais que seja um efeito interessante, o uso excessivo tem sido desgastante para o recurso. Hoje há sites que abusam da rolagem infinita ao não organizar o conteúdo e, ainda, colocam muitos efeitos que pesam a navegação.
  •          webNavegação oculta – quando se pensa em plataformas móveis, faz sentido comprimir todos os menus para caber em um pequeno quadrado que se expande ao clicar. No entanto, na navegação tradicional esse recurso é uma complicação desnecessária, quebrando o fluxo da navegação.
  •          Sobreposição – imagens, textos e cores sobrepostos, se não forem cuidados com muita atenção, podem gerar problemas de leitura para os internautas, além de ficar feio. Simples assim.
  •          Página introdutória – simplesmente, por quê? Por que alguém quebraria o ritmo da navegação inserindo uma página introdutória que o cliente com certeza vai fechar logo de cara? Isso se ele não desistir do site. Página introdutória não é recomendada para quem quer ter um bom design.

Graças ao SitePX, mesmo que você não seja um Web Designer especializado, poderá por em prática todas essas dicas graças ao criador de sites. Então, para mais dicas valiosas de como criar um site de sucesso, continue seguindo SitePX!

Compartilhar

5 dicas de Marketing de Conteúdo para pequenas empresas

Publicado por Júlio Rocha em 02/10/2015 às 15h15

marketing de conteúdo

Muitas vezes os textos encontrados na internet sobre Marketing de Conteúdo contam com dicas e novidades que, apesar de úteis, podem ser caras de se praticar, ou demandarem uma grande equipe. Para pequenas empresas, essas estratégias podem não ser as melhores. Além de consumirem muitos recursos, elas requerem uma presença forte na web que às vezes são características de empresas gigantes.

Isso não quer dizer, no entanto, o que o marketing de conteúdo não possa ajudar pequenas empresas. Muito pelo contrário. É preciso, apenas, saber em quais estratégias investir seu precioso tempo e dinheiro. Afinal, diferentes empresas requerem diferentes cuidados. Com post de hoje do SitePX, você que é dono uma empresa pequena ou recente poderá conhecer as melhores práticas do marketing de conteúdo para conquistar seu espaço no mercado.

  1.        Comece um blog – Sem dúvidas, escrever um blog é o primeiro passo para praticar o marketing de conteúdo para empresas de todos os tamanhos. É uma das formas mais baratas e mais cheias de benefícios para atrair internautas para sua empresa. Além de divulgar conteúdo e atrair pessoas com interesse na sua área, um blog é útil para a prática do SEO. Ou seja, para ser encontrado pelo Google pelas pessoas certas. Que é o que pode acontecer de melhor para uma pequena empresa.
  2.       conteúdoVídeos tutoriais – A expressão “how to” ou “como fazer” são as mais procuradas no Google e no YouTube em praticamente todos os países e por pessoas de todos os tipos. Por que, então, não fazer os seus? Tendo sempre alguma relação com a sua empresa, é claro, busque produzir vídeos que comecem com o clássico “como fazer” e, se possível, terminando com “em apenas um minuto”. Fácil e barato de fazer, mas pode render frutos por muito tempo.
  3.        Depoimentos – Já ensinamos aqui no SitePX como e porque coletar depoimentos de clientes satisfeitos, mas vale reforçar. Além de muito simples e barato de fazer, os depoimentos em vídeo ajudam a divulgar sua empresa e, acima de tudo, conferem credibilidade incomparável à qualidade dos serviços ou produtos. Afinal, além de mostrar que sua empresa é real e utilizada por outros internautas, é uma excelente  maneira de mostrar que os serviços são dignos de elogios.
  4.        Bastidores – Quem é ligado ao mundo da música sabe que a marca Gibson é referência na produção de guitarras e diversos outros instrumentos. E isso ficou ainda mais certo quando a empresa começou a promover um tour virtual pela fábrica, no qual é possível acompanhar todo o processo de montagem as belas guitarras. Ou seja, os bastidores da produção. Fazendo o mesmo – seja em vídeo, texto ou slideshow – você pode mostrar como é complexo e dedicado o trabalho da sua empresa.
  5.        Quem é a equipe?Mostre a cara de sua equipe para o público! Ter um (ou vários, no caso) rosto para associar à imagem da empresa pode ajudar o internauta a se sentir confiante para consumir seus serviços. Especialmente para pequenos negócios, geralmente associados a empreendedores com sonhos e objetivos, transformar a equipe em personagens da internet é uma forma moderna e com cara de internet de divulgar sua marca.

Com essas cinco dicas fáceis e baratas ficará muito mais fácil alavancar sua pequena empresa na internet. Isso tudo, é claro, só funcionará se você já tiver criado um site com SitePX

Compartilhar

Fidelize o consumidor com gamificação em 7 passos

Publicado por Júlio Rocha em 30/09/2015 às 15h57

gamification

Os jogos digitais – comumente chamados apenas de games – são uma das mídias mais adoradas pelo público moderno. Não à toa, o Brasil se tornou um mercado crescente para essa indústria do entretenimento. A gamificação – ou gamification, como alguns preferem chamar – é a prática de aliar características dos jogos eletrônicos ao marketing de conteúdo. E, pode ter certeza, boas estratégias de gamificação têm conquistado o público de uma forma especial.

As possibilidades de interação oferecidas pelos games, a simplicidade da linguagem e a possiblidade de jogar a qualquer momento – em plataformas móveis – tornam essa mídia ideal para o mercado moderno. O consumidor pode, assim, aliar seus momentos de distração com o consumo de conteúdo. E o melhor: do seu conteúdo. Entenda, então, como fidelizar o consumidor com a gamificação.

  1.        gamificaçãoApresente seu produto – O seu jogo pode funcionar como uma forma de fazer o consumidor e se interessar pelo seu produto. Um caso interessante é o LevelUP for Photoshop, campanha de gamificação promovida pela Adobe e encerrada em 2014, que oferecia ao consumidor um jogo simples, mas que ensinava como navegar pela interface do software e realizar algumas edições.
  2.        A hora certa do dia – Dificilmente alguém vai dedicar atenção a um jogo simples em seus momentos mais importantes do dia. Dessa forma, é importante que sua estratégia de gamificação seja praticável nos momentos certos do dia, como o caminho do ônibus, fila do banco ou, quem sabe, o intervalo para o banheiro. O jogo não é, de forma alguma, o principal passatempo do consumidor.
  3.        Geração compartilhada – Em tempos de Twitter e Facebook, o jogo precisa oferecer algum tipo de experiência social. Não deixe a experiência do seu game acabar sozinha, incentive o compartilhamento de resultados ou a jogatina colaborativa. Na internet, ninguém quer fazer nada sozinho.
  4.        Leve para a vida real – A chamada realidade aumentada consiste em misturar elementos do mundo virtual com o mundo real. O Foursquare, por exemplo, utilizava estratégias de gameficação que incentivava os usuários a visitar os estabelecimentos participantes da campanha. Dessa forma, será mais fácil par ao consumidor associar o nome à empresa.
  5.        Modernize o antigo – Assim como é interessante levar a campanha da internet para o mundo real, é muito bom, também, dar toques modernos às campanhas ultrapassadas. O clássico bilhete que te dá um cachorro quente após dez carimbadas, por exemplo, pode ganhar uma funcionalidade online completamente diferente. Mesmo que você não venda cachorros quentes, necessariamente.
  6.        Mantenha o consumidor jogando – Não adianta investir muito tempo, esforço e dinheiro em uma campanha que perderá logo a atenção do cliente. Faça com que o jogo de sua empresa seja capaz de prender o consumidor por um longo tempo. Atualizações frequentes, promoções e a experiência social podem prolongar o interesse do jogador.
  7.        Sem moleza – Outro fator que pode segurar jogadores e atrair curiosos é oferecer uma experiência realmente desafiadora. Quem sabe como uma grande recompensa no final, um jogo quase impossível não seja bem atraente para o consumidor? Estude as possibilidades!

Lembrando que para praticar a gamificação é necessária uma equipe de programação, se for o caso, pode-se procurar freelancers. Quem está de olho no futuro – que, na verdade, já é o presente – sabe que os games estão no coração dos brasileiros de todos os gêneros, classes sociais e faixas etárias.

Para mais dicas empreendedorismo e como criar um site de sucesso, continue acompanhando o SitePX!

Compartilhar

O que é User Experience?

Publicado por Júlio Rocha em 23/09/2015 às 15h49

user experience

Para quem a internet serve? Cientistas? Empreendedores? Vendedores? Não, não apenas. Todo profissional atuante na internet está servindo um mesmo público: o usuário. Para quem você quer vender seus produtos? Divulgar seu conteúdo? É precisando entender que, ao criar um site, você não está fazendo algo para você, e sim para o usuário. Afinal, você precisa dele, até mais do que ele de você. Compreender isso é o primeiro passo para entender o conceito de User Experience.

Quem acha que o site é apenas alimento para o ego ou que veio para salvar o internauta e, por isso, merece todo respeito e atenção do mundo está fadado ao fracasso. É necessário deixar o orgulho de lado e pensar “como eu posso oferecer o que é de melhor para o usuário?”. Isso não quer dizer, no entanto, que o User Experience seja algo ruim para o empreendedor. Muito pelo contrário, basta saber trabalhar o conceito ao seu favor.

Aliando os interesses

uxTambém chamado de usabilidade, experiência do usuário ou UX, o termo User Experience é utilizado para denominar como será a experiência do usuário com o conteúdo oferecido pelo empreendedor ou produtor de conteúdo. Isso envolve diversos elementos da criação de site, do design, ao conteúdo e programação. Por isso, é importante lembrar que para garantir a melhor User Experience é necessário trabalhar em conjunto.

Você não precisa, necessariamente, preencher seu site com informações e opções de design que não deseja apenas para garantir a satisfação do consumidor. Mas você pode garantir que ele siga, por exemplo, o melhor caminho para uma compra sem enfrentar dificuldades. Se tem uma coisa que não pode acontecer é o cliente entrar no site e não conseguir achar o que procura ou se sentir enganado pelas decisões tomadas.

Caso o objetivo final seja a venda, por exemplo, é preciso deixar sempre uma botão para que o usuário possa concluir a compra em poucos cliques. O chamado call-to-action se faz muito útil no marketing de conteúdo voltado para a boa User Experience. Se o cliente chega ao seu site em um post de blog que ele encontrou por uma busca no Google, ter uma botão para a compra no fim do post pode ser bem estratégico.

A User Experience é, também, a principal diretriz do algoritmo de buscas do Google. Cada atualização do buscador tem o objetivo de tornar o motor de buscas mais seletivo para separar o bom o conteúdo do mau conteúdo. Ou seja: o usuário em primeiro lugar.

Agora que já sabe como garantir a melhor User Experience possível, que tal criar um site e começar a praticar? Para mais dicas e informações valiosas sobre empreendedorismo e como criar um site de sucesso, continue seguindo o SitePX!

Compartilhar

O que é preciso para fazer um blog de sucesso?

Publicado por Júlio Rocha em 21/09/2015 às 11h25

blog

O blog é uma das formas mais eficazes de fazer carreira como produtor de conteúdo. E o melhor: com o conteúdo que você quiser. Criar um blog e preenchê-lo com o conteúdo de seu interesse é uma das formas mais gratificantes de se trabalhar na internet. Além disso, existem diversas formas de monetizar seu trabalho com blog, tornando a atividade rentável, além de tudo.

No entanto, esforço e boa vontade – apesar de fundamentais – não são tudo o que você precisa para garantir o sucesso do blog. Com a constante evolução do marketing digital, novas práticas surgem para oferecer sempre o melhor conteúdo aos leitores. Quem não está em dia com essas práticas e novidades pode não obter tanto sucesso, mesmo que ofereça conteúdo impecável. Para ajudar você a escapar desse problema, o SitePX levantou quais são os aspectos fundamentais que você precisa trabalhar para criar um blog de sucesso.

Conteúdo estratégico para blog

Bom conteúdo é fundamental, mas é necessária certa malícia – no bom sentido – para atrair leitores. Especialmente na hora de escolher títulos, é preciso apelar um pouco. Sem mentiras, é claro, pois isso frustrará os leitores. Faça grandes promessas que o seu texto possa resolver, aponte quais dificuldades do consumidor seu texto é capaz de amenizar ou, então, ressalte uma opinião polêmica. Mas, lembre-se: títulos sempre curtos e diretos. Deixe os floreios para a literatura.

blogOutro tipo de estratégia de conteúdo é o guest post, ou “post convidado”. Basicamente, você convida outro blogueiro ou produtor de conteúdo a produzir um texto para seu blog. Tal estratégia, além de dar volume ao blog, ajuda na construção de links e reputação. Lembrando que também é muito válido que você seja o convidado em outros blogs para tornar seu nome conhecido entre novos leitores.

Marketing de conteúdo

O marketing de conteúdo, também chamado marketing de atração, consiste em três principais práticas: SEO, redes sociais e e-mail marketing. A primeira, o SEO, consiste em otimizar seu site para que ele seja facilmente encontrado por buscadores como o Google, o que pode resultar aumento considerável nos acessos. Há muitos textos sobre SEO aqui no SitePX, mas de forma resumida, é necessário identificar quais são as principais palavras-chave (aquelas que serão buscadas do Google) do seu blog e trabalhar uma saudável repetição delas em seu conteúdo.

As redes sociais são um dos principais meios de divulgação da produção de conteúdo dos dias atuais. Mas, mais do que divulgar para seus seguidores, as redes sociais têm uma importante função de atrair novos visitantes, com base nos interesses comuns e segmentação do público. Cada rede social possui uma característica específica, sabendo qual é a ideal para o seu público ajuda a ganhar novos seguidores fiéis.

O e-mail marketing, atualmente, é uma das formas mais eficazes de aumentar sua taxa de conversão – caso o objetivo de seu blog seja vender um produto ou serviço. Oferecendo dicas, informações úteis e uma boa newsletter é possível atrair leitores diretamente de seu ambiente mais íntimo: sua caixa de e-mails. Há não muito tempo, essa prática era automaticamente considerada spam. Hoje em dia, no entanto, empreendedores aprenderam a usá-la bem e os consumidores voltaram a respeitar o e-mail marketing.

Com todas essas práticas, seu blog estará no caminho do sucesso, o resto vem de você: esforço e qualidade. Para mais dicas de empreendedorismo e como criar um site de sucesso, continue acompanhando o SitePX!

Compartilhar

Passo a passo para entender o Google Analytics

Publicado em 18/09/2015 às 16h37

analytics

Iniciantes no mundo do marketing digital, que acabaram de aprender como criar um site e estão buscando seu lugar ao sol digital, provavelmente estão buscando uma boa forma de medir o sucesso do site. O Google Analytics é, exatamente, o que eles precisam. No entanto, a ferramenta gratuita do Google pode ser um tanto confusa para usuários de primeira viagem.

Monitorar o desempenho do site é fundamental para qualquer empresa. Seja para analisar o sucesso das estratégias de divulgação ou entender melhor seu público, o levantamento de dados sobre os acessos do site é o que vai permitir o seu crescimento como empreendedor no mundo digital. E o Google Analytics permite que você faça isso de graça, basta paciência -  e boas dicas – para entender como funciona.

Visitas e origens de tráfego

googleExistem, basicamente, três possíveis origens para cada acesso ao seu site: acesso direto (quando a pessoa digita o endereço no navegador), referência (quando o internauta chega ao seu site ao clicar um link externo em outro site ou redes sociais) e motores de busca (quando o acesso vem de uma busca no Google). Com o Google Analytics, você pode identificar quais são as principais origens de tráfego no seu site.

Além de identificar de onde estão vindos os acessos, é possível manter registro de quantas visitas recebeu, além das características comportamentais dos visitantes. Essas características como duração da visita, número de páginas visitadas, novos acessos, retornos e taxa de rejeição são fundamentais para analisar o desempenho de seu conteúdo.

Dados demográficos

Talvez a mais impressionante ferramenta do Google Analytics. Com os dados demográficos é possível conhecer seu público de uma forma impressionante. Para começar, as características mais óbvias como gênero, idade e renda. Por meio das informações pessoais de cada vistante, o Google entende quais perfis visitam seu site com maior frequência. Assim, é possível saber se você está atingindo o público ideal, ou, então, saber com quem você está falando.

No entanto, o Analytics vai além do óbvio. É possível descobrir outras informações interessantes. Você recebe mais visitas de computadores, tablets ou celulares? Qual navegador é mais utilizado para acessar seu site? Qual é o celular utilizado por seus visitantes? Sim! É possível saber o modelo do celular mais utilizado para visitar seu site.

E ainda mais, é possível identificar as áreas de interesse dos visitantes. Esportes? Tecnologia? Sejam quais forem, o Google Analytics te dirá e, dessa forma, será possível fazer o marketing de conteúdo de forma muito mais direta e eficaz para seus potenciais clientes. Especialmente combinando todas essas informações.

O sistema inteligente do Google é capaz, até mesmo, de ditar uma taxa de conversão para o seu site. Com base no número de visitas recebidas e compras concluídas – sim, o Google sabe quantas compras foram concluídas – ele te dará no relatório a porcentagem de conversão para que você possa determinar se precisar trabalhar melhor os Call-to-action.  

Agora que já sabe os princípios e a importância do Google Analytics, o que acha de criar um site e começar a analisar, gratuitamente, o desempenho do seu site. Para mais dicas de empreendedorismo e como criar um site de sucesso, é só acompanhar o SitePX!

Compartilhar

10 e-books para alavancar seu site na internet

Publicado por Júlio Rocha em 16/09/2015 às 15h34

e-books

Fazer sucesso na internet é mais do que saber como criar um site, mais do que saber usar as redes e mais do que testar novas técnicas de marketing de conteúdo. Não que essas três atividades não sejam vitais para a carreira de produtor de conteúdo, mas há algo ainda mais indispensável: o estudo. Se você está lendo esse texto, provavelmente já entende a importância de estudar as novidades do marketing e da internet, mas não custa relembrar.

A internet é um ser mutante, em constante aprimoramento. Parando para piscar já se perde muitas das novidades e características modernas do mundo do marketing digital. E quem não está em dia com o mercado, logo perde seu lugar. Dessa forma, é importante estar sempre estudando para ser manter atualizado. E uma das melhores e mais baratas formas de fazer isso são os e-books. Confira alguns que podem ser valiosíssimos na sua formação:

  •          Marketing Digital para empreendedorespara garantir o sucesso na internet, é preciso começar de algum lugar, certo? Este e-book apresenta os conceitos fundamentais do marketing digital para empreendedores.
  •          Como construir e executar seu planejamento estratégicosimplesmente não é possível fazer marketing digital sem uma boa estratégia. E uma boa estratégia requer um bom planejamento.         
  •          Liderança Inspiradora: Como Inovar na Gestão de Pessoas o trabalho de marketing de conteúdo é em coletivo e multidisciplinar. Sendo assim, é necessário saber cativar sua equipe.
  •          Criando equipes altamente criativasassim como o chefe deve estar afiado, é importante que a equipe esteja pronta para utilizar todo seu poder criativo na hora produzir e praticar o marketing de conteúdo.
  •          Remuneração Variávelsalários fechados estão ultrapassados. Conhecendo o conceito de remuneração variável – relacionada à produtividade – é possível motivar a equipe a render ainda mais.        internet
  •          Funil de vendas na práticaa forma como consumidores compram mudou drasticamente com a internet, o fluxo de informações é muito diferente. Entenda como usar o funil de vendas no mercado moderno.
  •          5 Conselhos para se tornar um empreendedor de alto impactopara a produção desse livro, vários empreendedores foram entrevistados. Com base nessas respostas, foram identificados os comportamentos relacionados ao sucesso.
  •          Como construir a identidade da sua empresaqual é a diferença entre a sua empresa e as demais que compõem esse mercado competitivo que é a internet? Aprenda a mostrar para o consumidor que sua empresa possui diferencial e qual ele é.
  •          Financie seu sonhoa captação e administração de recursos pode ser a etapa mais complicada do empreendedorismo do mundo digital. Aprende a usar o dinheiro para conseguir atingir seus objetivos na internet.
  •          Recrutar é Um Talentojá falamos sobre ser um bom líder e sobre garantir que a equipe seja criativa. Mas como fazer para selecionar a melhor equipe? Com este e-book, você aprende a se manter cercado pelas melhores pessoas.

Com essa lista, já há material para muita leitura e aprendizado. Mantenha-se antenado e curioso para garantir que esteja sempre aprimorando sua atuação na área do marketing digital. Para ainda mais dicas e aprendizado sobre empreendedorismo e como criar um site de sucesso, continue seguindo o SitePX!

Compartilhar

left show tsN fwR fsN|left tsN b01e fwR bsd show|left fwR tsN show|bnull||image-wrap|news login c05|fsN fwR normalcase tsN|c05|login news fwR normalcase|tsN fwR normalcase|normalcase fwR c05|content-inner||