Dicas para criar um site

Conheça a linguagem secreta dos funcionários do Facebook

Publicado por Júlio Rocha em 14/09/2015 às 15h31

facebook

Começou como uma brincadeira de mau gosto feita por jovens universitários, se tornou uma inteligente startup e hoje é uma das maiores empresas do mundo. O Facebook, a rede social mais popular dos últimos tempos, garantiu seu espaço entre os gigantes da internet e, não à toa, a rede que antes vivia apenas de duas mentes pensantes agora possui centenas de funcionários à sua disposição.

Seguindo a lógica atual das empresas que prezam pela criatividade máxima de seus funcionários, os escritórios do Facebook possuem um clima descontraído, com liberdade e possibilidade de relaxamento para os funcionários. Para fazer jus a essa nova forma de trabalhar, os funcionários do Facebook possuem, até mesmo, uma linguagem própria com brincadeiras e piadas internas da empresa. Conheça as principais:

  •          facebookT.N.R. 250 – Sigla para “The Nouveau Riche”, “os novos ricos” em francês, essa abreviação é usada para designar os 250 funcionários presentes no começo da transformação do Facebook em uma megaempresa, que hoje estão milionários.
  •          Bootcamp – O nome dado aos rígidos treinamentos físicos do exército americano também é usado para descrever os meses de integração dos novos funcionários do Facebook. Não que o treino do Facebook seja tão duro, é mais uma piada interna mesmo.
  •          Faceversary – Se a empresa fosse brasileira, ela faria festinhas de Faceniversário para seus funcionários. O Faceversary é uma celebração dos novos anos de vida dos colaboradores do Facebook.
  •          Game day – Uma vez por ano, o Facebook escolhe um dia para fazer uma grande competição – como uma gincana – na qual os funcionários se dividem em times para disputar jogos divertidos.
  •          Epic – Esse é o nome da maior e principal cafeteria presente dentro da área do Facebook.
  •          Livin’ the dream – Nome dado a outra cafeteria popular no campus, em homenagem ao funcionário Josef Desimone, chef de cozinha que faleceu em um acidente de moto em 2013.
  •          Little Red Book – Outra tradição para recém-ingressados à equipe do Facebook: todos os funcionários recebem um livro de capa vermelha contando a história da empresa com muitas fotos e os dizeres “se não criarmos algo que mate o Facebook, alguém o fará”.
  •          Gravity Room – A sala da gravidade, além de um excelente nome para um filme de ficção científica, é um ambiente criado com o objetivo único de gerar fotos divertidas dos membros da equipe. Nesta sala há uma mesa grudada em uma parede decorada para parecer um chão – enquanto o chão é decorado para parecer uma parede.
  •          The Aquarium – Imagine visitar a sede do Facebook e poder ver Mark Zuckerberg conduzindo uma reunião? Isso é possível, pois “O Aquário” é uma sala com paredes de vidro transparente, onde o CEO da empresa recebe sócios. No entanto, é proibido tirar fotos!

Com todas essas autorreferências e brincadeiras, não é de se espantar que o Facebook consiga sempre inovar e encontrar soluções criativas para garantir o sucesso do empreendimento. Se há algo que se pode aprender com a experiência de Mark Zuckerberg é que um ambiente feliz e descontraído é mais propenso para a criação.

Para mais dicas de empreendedorismo e como criar um site de sucesso, continue seguindo o SitePX!

Compartilhar

Seu smartphone pode ser o menor (e melhor) escritório do mundo

Publicado por Júlio Rocha em 11/09/2015 às 14h35

smartphone

A lista de objetos que se tornarão obsoletos graças ao smartphone está crescendo, ninguém realmente precisa mais de mp3 player, telefone com fio, câmera compacta, lista telefônica, calendário, escritório… Sim, escritório! A tecnologia móvel chegou a um ponto em que não há mais necessidade alguma de ter um espaço físico com secretária, contador, telefone e tudo mais que um escritório precisa ter. Não acredita?

Se você é um empreendedor desta segunda década do século XXI, logo perceberá - se já não percebeu - que muitas coisas que no passado pareciam  fundamentais para o seu trabalho, hoje estão dentro do seu smartphone (ou simplesmente caíram em desuso). Não à toa, é cada vez mais necessário saber como criar um site para dispositivos móveis. Com este texto do SitePX, aprenda a transformar seu celular em um escritório e economizar tempo, espaço e, é claro, espaço.

Recebendo clientes e parceiros no smartphone

smartphoneSe antes era necessário possuir um espaço físico para receber e interagir face a face com clientes e parceiros comerciais, hoje é bem possível economizar gasolina, passagens de ônibus e muito tempo convidando as pessoas para uma videoconferência. Não é nem mesmo necessário um computador para isso, está tudo no smartphone.

Utilizando o Google Hangouts, o Skype ou algo que o valha, é possível fazer conferências via streaming para uma ou várias pessoas de qualquer lugar do mundo. É claro que ainda é necessário estar bem vestido e cuidar para que possa oferecer a melhor qualidade de áudio e vídeo, mas isso se resolve tranquilamente com uma boa internet e escolhendo ambientes com boa iluminação e sem muito barulho para realizar a transmissão.

Contabilidade e organização

Manter um registro de gastos, ganhos e investimentos não é fácil. Não à toa, é comum contratar um contador apenas para cuidar desse tipo de tarefa tão complicada e fundamental. Hoje, no entanto, talvez seja possível guardar o contador para tarefas mais complexas. Softwares com o Expensify, por exemplo, mantém registro dos gastos por meio de fotos tiradas dos recibos (com a câmera do celular, é claro). Além disso, existem vários aplicativos para calcular finanças, basta escolher seu favorito.

E se antes era necessário alguém para controlar seus cronogramas e agenda, hoje isso tudo pode ser feito com muita mais facilidade. Com o Trello e o Evernote, por exemplo, é possível anotar e organizar suas tarefas sozinho com tanta simplicidade que você até esquece que houve um tempo em que era necessário contratar uma secretária para isso. Alie um desses softwares ao Keep Google para fazer anotações, e se organizar será muito mais fácil.

Se aliar à tecnologia é o que há de melhor para facilitar seu trabalho e poder se dedicar a inovar e investir em crescimento pessoal e profissional. Isso e, claro, continuar lendo o SitePX para mais dicas empreendedorismo e como criar um site de sucesso!

 

 

Compartilhar

5 recursos do Google para potencializar seu e-mail

Publicado por Júlio Rocha em 09/09/2015 às 13h57

e-mail

O e-mail é o melhor amigo do empreendedor digital. O Gmail, serviço de e-mail do Google, é fundamental para a vida na internet. É a partir dele que se tem acesso a uma série de ferramentas úteis para aqueles que decidiram aprender como criar um site e fazer carreira na internet. E isso não é tudo, o Gmail está repleto de funcionalidades que podem tornar sua vida profissional no meio digital muito mais fácil.

O contato por e-mail dos dias hoje é o mais indicado para qualquer tipo de conversa formal e, ainda, extremamente útil quando o assunto é marketing. Ao se comunicar com futuros parceiros comerciais e profissionais, por exemplo, o e-mail é a melhor alternativa – fora o encontro presencial, é claro. Saber organizar e explorar tudo o que o seu e-mail pode oferecer, então, vai ajudar o empreendedor na jornada do sucesso online. Com esses 5 recursos do Google, tudo pode ser mais fácil:

  1. E-mail corporativo 

    Se você já sabe como criar um site, provavelmente já comprou um domínio. Se o fez, é possível criar um e-mail corporativo utilizando esse endereço. Por exemplo “seunome@nomedaempresa.com”. E-mails corporativos transparecem profissionalismo. Por isso, é possível utilizar o Gmail como caixa de entrada para seu e-mail corporativo e utilizar seu endereço personalizado com o nome da empresa para manter contatos profissionais.
  2. e-mailCaixa de entrada organizada 

    O terror de quem lida com e-mails diariamente é uma caixa de entrada bagunçada, misturando seus e-mails mais importantes com uma infinidade de promoções e atualizações de redes sociais. Com o Gmail é possível criar categorias e definir níveis de relevância para separar seus e-mails de forma a organizar por assuntos e remetentes. Dessa forma, a navegação será muito mais fácil.
  3. Voltar atrás e facilidades 

    Já apertou o Enter antes da hora ou enviou um e-mail na hora errada? Agora não é mais necessário mandar um outro e-mail pedindo desculpas. Se você perceber o erro instantaneamente, o Google permite que você anule o envio do e-mail errado. Além disso, agora é possível manter uma lista de respostas automáticas. Não que você precise soar como uma máquina, mas quando se recebe muitos e-mails parecidos, a vida pode ficar muito mais fácil se você não precisar reescrever a mesma resposta um milhão de vezes.
  4. Videoconferência 

    Muitas vezes, o e-mail não é suficiente para a comunicação empresarial, especialmente se houver mais de dois interlocutores. Proprietários de contas no Gmail, então, possuem uma vantagem: o Google Hangouts. Convide seus parceiros e contatos para uma videoconferência pelo Hangouts, é necessário apenas uma conta do Google – além de câmera e microfone, é claro, mas esses recursos já estão presentes em qualquer notebook!
  5. Google Drive

    Referência no armazenamento em nuvem, o Google Drive funciona como ele de união entre todas ferramentas do Google. Seja para armazenar fotos, textos ou qualquer outro tipo de documento, o Google Drive facilita a vida de todos que possuam um Gmail. Inclusive, é possível usar o office do próprio Google que é completamente gratuito e pode armazenar seus arquivos diretamente na nuvem.

E-mail hoje em dia é a forma mais eficaz para se comunicar diretamente com outra pessoa. Fique atento a essas dicas e tenha a melhor comunicação de toda a internet. Continue acompanhando o SitePX para mais dicas  valiosas de empreendedorismo e como criar um site de sucesso!

Categoria: Conteúdo, Primeiros passos
Compartilhar

Como fazer contatos importantes responderem seu e-mail

Publicado por Júlio Rocha em 04/09/2015 às 15h22

e-mail mkt

Existente desde os primórdios da internet, a comunicação via e-mail é uma das principais dos tempos modernos, seja para conversas pessoais, trabalhar e-mail marketing ou fazer propostas comerciais. Neste espaço do SitePX já foram dadas várias dicas de como fazer e-mail marketing profissional e que dê resultado. O post de hoje, então, é voltado para você que já sabe como criar um site e, agora, busca novas parcerias e oportunidades através dos contatos profissionais por e-mail.

Assim como nos contatos pessoais, há uma série de fatores que podem levar a sua proposta a ser aceita ou não. E, muitas vezes, todo o contato pode ser prejudicado por uma má primeira impressão. Para evitar que você, empreendedor digital, perca boas oportunidades por causa de e-mails, eis a lista de pontos para levar em consideração ao começar a mandar e-mails em busca de parcerias e oportunidades profissionais, garantindo que seus e-mails sejam respondidos:

  1.        e-mail marketingAperfeiçoe o título do e-mail – o primeiro contato da sua mensagem com o destinatário será aquele campo denominado “assunto”. Desta forma, é preciso conquistar a atenção da outra pessoa já nesse momento. Existem duas estratégias que podem atrair o interesse: curiosidade e utilidade. Se for possível, combinar os dois é o ideal.
  2.        Conte porque você o escolheu – estudos apontam que quem recebe uma proposta sem exatamente definir que função ganharia na parceria não sente que possui uma responsabilidade no projeto, e, com isso, possui mais chances de recusar a parceria. Por isso, é necessário deixar bem claro que você precisa de seu destinatário. E, ainda, a massagem no ego pode deixá-lo mais propício a aceitar.
  3.        Mostre que fez o dever de casa – ao fazer o contato com seu futuro parceiro profissional, mostre que você sabe sobre o que ele tem feito – especialmente e termos de produção de conteúdo – e, também, a situação atual do mercado. Fazer perguntas que poderiam ser respondidas com um rápido procura no Google passará uma imagem ruim.
  4.        O incomum em comum – pode parecer um tópico estranho, mas segundo psicólogos, ao ressaltar que você e seu destinatário possui um gosto ou opinião incomuns em comum ajuda a criar uma relação de identificação. Sabe a alegria de descobrir que mais alguém se encanta com aquela música que só você gosta? Exatamente! Conheça bem a pessoa que vai receber a mensagem e saiba como criar essa relação instantânea com ela.
  5.        Seja claro, direto e educado ao pedir alguma coisa – nada pode incomodar mais uma pessoa do que a sensação de estar sendo enrolado. Então, nada de e-mails gigantes e superdetalhados. Seu destinatário sabe que você espera algo dele, não precisa fingir. Por isso, seja bem claro e direto ao dizer porque ele é necessário para o seu negócio. Mas faço isso, é claro, de forma educada, sempre elogiando o trabalho e seguindo os outros passos da lista.

Fazer dinheiro e construir uma carreira na internet vai além da produção de conteúdo e criação de sites. É fundamental buscar parcerias para poder crescer e abrir novas oportunidades empreendedoras. Se quiser mais dicas de como fazer isso e como criar um site de sucesso, continue seguindo o SitePX!

Categoria: Como atrair clientes, Conteúdo, Marketing Digital
Compartilhar

Como fazer link building de forma natural e aceita pelo Google

Publicado por Júlio Rocha em 02/09/2015 às 14h46

link building

Desde que os estudos sobre SEO e o algoritmo do Google se tornaram algo comum para os produtores de conteúdo para internet, muito tem sido falado sobre o Link Building. Especialmente pelo fato de que esse é um tema polêmico que divide opiniões entre profissionais da área. Por isso, algumas pessoas temem usar estratégias de link building e, assim, acabam ficando de fora de uma prática que ajudar muito quem opta por criar um site.

A polêmica é a seguinte: quando descobriram que o algoritmo do Google dava relevância a páginas com vários links, muitos começaram a recorrer a formas fáceis de construir links, sem necessariamente pensar na experiência do usuário. Para evitar esse tipo de prática, o Google começou a punir várias estratégias de link building.

Por causa das punições, há quem tenha banido completamente qualquer forma de link building de seu site e, ainda assim, aqueles que insistem nas estratégias espertinhas. No entanto, muitos se esquecem do meio termo. Ao trabalhar o link building de forma natural, é possível ganhar relevância e não ser punido pelo Google.

Conteúdo para o público e não para o Google

link buildingA diretriz máxima que o Google tenta seguir é a de que seu conteúdo deve ser voltado para o consumidor e não para os buscadores. Dessa forma, oferecendo conteúdo original, relevante e, é claro, bem feito, você aumenta drasticamente a chance de receber links externos. Não necessariamente de outros blogueiros, mas de usuários comuns que gostam seu conteúdo a ponto de compartilhá-lo com outras pessoas.

Segundo o Hubspot, empresas que blogam (alimentam um blog) têm chances até 97% maiores de conquistar links externos. É muita diferença! Oferecendo conteúdo diversificado, como infográficos e vídeos, é ainda mais fácil conquistar o respeito do leitor e despertar nele a vontade de mostrar seu conteúdo para outros.

Use bem as redes sociais

Para começar, identifique em qual rede social está o público do seu empreendimento. Não adianta sair atirando para todos os lados e esperar um bom retorno em todas as redes. O gerenciamento de mídias sociais deve ser feito com tempo e atenção e, além disso, deve acontecer conforme as particularidades de cada plataforma.

Não basta simplesmente compartilhar seu conteúdo no Twitter, Facebook ou qualquer outro veículo, é necessário promover a interação específica de cada rede social. Use o Periscope, por exemplo, para mostrar sua empresa em vídeo e incentive usuários a mandarem vídeos experimentando seus produtos, faça um sorteio utilizando uma hashtag de sua empresa no Twitter... São várias as opções!

Assessoria de imprensa

Conquistar o público é o primeiro passo, o próximo é conquistar os grandes portais de conteúdo. Pense na audiência enorme que esses sites têm diariamente e se imagine como personagem das notícias publicadas na página. Seria uma excelente exposição para seu serviço e sua marca, não? É aí, então, que é necessário um trabalho de assessoria de imprensa.

Você, como produtor de conteúdo, pode ser tornar referência na área, daquelas procuradas para dar entrevista quando há assuntos relacionados ao seu trabalho em pauta. Para se tornar essa referência no mercado é necessário produzir bom conteúdo e construir uma reputação com ele nas redes sociais. Com esse trabalho feito, procure os portais de seu interesse – de preferência relacionados à sua área – e comece a mandar releases e convites para conhecer seu conteúdo.

Com essas dicas, seu Link Building será natural, garantido o melhor SEO para o seu site. Para mais dicas valiosas de empreendedorismo e como criar um site de sucesso, continue acompanhando o blog do SitePX.

Compartilhar

Entenda porque o Marketing de Conteúdo é fundamental

Publicado por Júlio Rocha em 31/08/2015 às 14h51

marketing de conteúdo

A chegada definitiva do consumidor na internet mudou drasticamente o processo de compra e venda e também a maneira de como criar um site. Se antes a figura de um vendedor e o contato direto da empresa com o cliente em potencial era fundamental, hoje é indispensável e deixa o consumidor livre para decidir sozinho pela compra. Ou, pelo menos, fazer com que ele sinta que está chegando sozinho à decisão. O Marketing de Conteúdo surgiu como a melhor forma de se fazer presente para o internauta.

Vendedores hoje não são tão bem vistos. Não, pelo menos, quando tentam agir da mesma forma que agiam até o começo da década passada, com ações fortes e incisivas para induzir o cliente à compra. Mas o cenário mudou e agora quanto mais se tenta vender, mais se afasta o cliente. É o princípio do Inbound Marketing: primeiro você atrai, depois você faz com que, sozinho, o consumidor compre seu produto.

Conteúdo é tudo

inbound marketingPara atrair o internauta, então, é preciso oferecer o que ele quer. E não! Ele não quer o seu produto, não agora. O que todo internauta procura primariamente é conteúdo. Cada tipo de consumidor quer consumir um tipo específico de conteúdo. E, para suceder na internet, a sua empresa deve ser aquela que oferece o que ele quer ler, ouvir, assistir, ou seja, consumir.

Pegando como um exemplo uma loja de roupas para prática do skate, é preciso parar para pensar: o que o público dessa loja procura? Além de roupas para skate, é claro. Eles provavelmente se interessam por competições de skate, outros esportes radicais, cultura urbana, grafite, hip hop, punk, atividades físicas... Com todos esses interesses, por que sua empresa deveria falar apenas de roupas?

Obviamente, há formas de descobrir os interesses de seu público além do senso comum. Diversas ferramentas fazem isso. A questão é que, oferecendo conteúdo de acordo com os interesses do seu potencial cliente, você o terá sempre orbitando a sua marca e tudo relacionado a ela. Assim, quando, um dia, ele decidir que precisa comprar uma nova bermuda para andar de skate, a sua loja vai ser a primeira que ele vai lembrar.

A publicidade precisa mudar

Assim como o vendedor, o publicitário precisa se adaptar ao novo cenário dos negócios na internet. Antes, era necessário fazer com que seu anúncio fosse visto pelo maior número de pessoas possível. Agora, não é bem assim. A navegação moderna deu ao consumidor a possiblidade de pular a propaganda, ou simplesmente ignorá-la. Como, então, anunciar para o público da internet dessa década?

A forma de contatar clientes, agora, é menos agressiva e incisiva. É possível fazer sua publicidade diretamente para o seu cliente. Neste caso hipotético, seus anúncios podem ser diretamente apontados para skatistas. E se, ainda por cima, esse skatista que receber sua propaganda já for consumidor do seu conteúdo, pode ter certeza que a boa vontade dele será muito maior.

Sabendo se adaptar à nova cara da publicidade e das vendas online e, é claro, entendendo a importância do Marketing de Conteúdo é possível fazer suas vendas decolarem e seu site estar sempre no topo das paradas dentro da sua área. Basta, também, seguir o SitePX e receber as melhores dicas de empreendedorismo e como criar um site de sucesso.

Compartilhar

10 passos para fazer bom conteúdo mobile

Publicado por Júlio Rocha em 28/08/2015 às 15h36

mobile first

Recentemente, o Google divulgou dados muito úteis e interessantes sobre a navegação mobile. Para começar, algo que já estava há muito anunciado: 2015 é o ano em que o mobile superou o desktop em números. Não à toa, 86% dos usuários dizem utilizar smartphones para fazer pesquisas antes de compras, o uso de internet 3G cresceu 123% e 72% dos usuários acessam a internet todos os dois.

Dessa forma, não dá, de jeito nenhum, para ignorar o mobile ao criar um site e levar seu negócio para a internet. Afinal, segundo os números levantados, o internauta chega a checar seu smartphone 150 vezes por dia. Para levar seu empresa para a navegação mobile no entanto é preciso ter algumas coisas em mente. É o que chamam de Mobile First (pensar primeiro no mobile). Mas, com as dicas a seguir, você vai perceber que, na verdade, é um “pessoas first”.

  1.       mobile first Vídeos e conteúdo visual – Boa parte do conteúdo mobile é consumindo em movimento. Seja andando, balançando no ônibus ou comendo, quem sabe. Nessas situações, não é fácil parar para ler. Quanto menos texto e mais imagens, melhor.
  2.        Boa leitura – As fontes precisam estar em um tamanho que facilite a leitura as telas pequenas e, de preferência, com blocos de textos divididos por imagens e outros elementos.
  3.        Regra dos 20% - O Facebook impõe um limite de 20% de texto nas publicações impulsionadas. Isso é para garantir a melhor leitura no mobile. Dessa forma, deixe a maior parte do texto para a legenda e não para a imagem.
  4.        Teste o post antes – Como falamos de uma multiplicidade de telas, de várias formas e tamanhos, é interessante que, antes de publicar, se faça o teste em dispositivos variados.
  5.        Títulos e manchetes curtas – A maioria das plataformas limita o tamanho dos textos na visualização de dispositivos móveis. Dessa forma, evite que seu conteúdo exceda esses limites.
  6.        Imagens no tamanho e formato certo – O Facebook e o Instagram, por exemplo, dão preferência a imagens quadradas ou horizontais. Dessa forma, é possível exibir a legenda junto com a imagem ao mesmo tempo, quando a foto for selecionada.
  7.        Link apenas para páginas amigáveis – Não adianta nada deixar seu site perfeito para o mobile se, ao clicar em seu link, o internauta vá parar em um site que não tenha o mesmo cuidado. Sempre confira antes de fazer o link!
  8.        Se insira de forma natural – Parte da estratégia do marketing mobile é se inserir na vida do consumidor. Mas isso deve ser feito naturalmente, seja dando “bom dia”, ou até compartilhando fotos de refeições na hora do almoço!
  9.        Incentive a participação móvel – Ao incentivar a interação com o consumidor, não peça textos e outras formas tradicionais. Peça uma foto dele com o seu produto, um vídeo de alguma reação, qualquer coisa que possa ser feito com um celular.
  10.    Preencha as áreas de biografia – Sabe aquelas áreas dos perfis, como “história”, “localização”, “preferências”...? Preenchê-las de forma completa e criativa pode ajudar o internauta a escolher sua empresa.

Seguindo essas dez diretrizes, seu site já estará no caminho certo para conquistar o mercado mobile! Não deixe de seguir o SitePX para garantir que receberá as melhores dicas de empreendedorismo e como criar um site de sucesso.

Compartilhar

Como o Google está forçando o mercado online a se adaptar

Publicado por Júlio Rocha em 26/08/2015 às 14h47

google

Quando você começa a estudar SEO e se interessar pela arte de criar um site, logo começa a entender como o Google é parte vital desse jogo cibernético. As decisões tomadas por essa empresa gigante da internet afetam diretamente o desempenho de todos os sites. Afinal, não só o buscador, mas todos os serviços oferecidos pelo Google são muito apreciados e utilizados por internautas do mundo inteiro.

Dada a importância do Google, YouTube, Chrome, Picasa e todas as outras funcionalidades da empresa, é normal que cada novidade seja muito aguardada por empreendedores. Afinal, uma mudança pequena no algoritmo de indexação já pode alterar drasticamente o desempenho de todos os sites na internet. E, agora, o Google está anunciando uma novidade que irá mudar drasticamente a situação do mercado cibernético atual.

Anunciantes, fiquem atentos ao Google

googleQual é a grande mudança que estamos falando? Simples: a partir de 1º de setembro, o Google Chrome não dará mais suporte para publicidade em Flash, os empreendedores terão que se adaptar ao HTML 5. Parece pouca coisa? Mas não é! No momento, a maior parte da publicidade da internet é em Flash e, bem, o Chrome é o navegador majoritariamente utilizado pelos internautas.

Segundo uma pesquisa realizada recentemente, 74% dos grandes portais veiculadores de publicidade da internet não possuem capacidade de se adaptar com HTML 5 tão rápido assim. Nomes como Globo.com, Estadão, IG e ESPN podem ter seus anúncios comprometidos por um bom tempo se não correrem atrás de se adaptarem aos novos termos. E, queira ou não, isso será um problema para todos.

Quando a atualização ocorrer, todos os anúncios em Flash serão substituídos por players cinzas com um botão no meio. Para consumir essa publicidade, será necessário clicar. Ou seja, ninguém vai consumir.

Google pensando no mobile

googleSe você estava se perguntando qual o motivo do Google investir em uma mudança aparentemente apocalíptica, a resposta é simples: tudo isso é para melhorar a navegação mobile. A tecnologia de Flash já está sendo abandonado há algum tempo por várias marcas, como a Apple, por exemplo. Especialmente por se tratar de uma tecnologia antiga e que não carrega também em dispositivos móveis.

Se as empresas foram pegas de calças curtas, não dá para dizer que foi por falta de aviso. A Adobe tem notificado o mundo sobre essa mudança no mercado de 2011, a Interactive Advertising Bureau também vem dando a notícia desde 2013. Quem se preparou, ótimo. Os outros agora precisarão correr atrás do prejuízo.

Eis aí, então, uma excelente oportunidade para novos empreendedores: ofereça espaço para propagandas em HTML 5 antes da concorrência. Lembre-se que o futuro está navegação mobile e quem souber trabalhar melhor essa área e estará disparado na vantagem. Seja para a produção de conteúdo ou para a publicidade, é hora de investir em mobile.

Quem acompanha o SitePX já recebeu dicas e mais dicas sobre criar um site mobile e garantir que ele funcione da melhor forma possível. E continue acompanhando para continuar lendo tudo sobre empreendedorismo e como criar um site de sucesso! 

Compartilhar

Linguagens de programação? Conheça as 9 mais comuns

Publicado por Júlio Rocha em 24/08/2015 às 10h26

programação

Para quem optar por criar um site e buscar o sucesso na internet, conhecer algo sobre linguagens de programação pode ser muito útil. Especialmente porque todos os sites são criados tendo alguma delas – ou até mais de uma – como base. Em quem escolheu o termo “linguagens” para designa-las não poderia ter escolhido outro menor. Aprender códigos como PHP ou CSS é, de fato, como aprender outro idioma.

Leigos no assunto, porém, podem ser espantar com as várias linguagens diferentes dominadas pelos profissionais da web. Para facilitar a vida dos não-iniciados no mundo da programação, o site Github organizou uma lista com as linguagens de programação mais usadas atualmente. O SitePX, agora, compartilha com você:

programação9. C

Uma das linguagens mais antigas e, ainda assim, uma das mais usadas! Criada em 1972, ainda no contexto da Guerra Fria, ela resistiu ao tempo graças às suas características indispensáveis, como estabilidade, universalidade e compatibilidade.

8. C#

A pronúncia é “c-sharp”, nome inglês para a nota musical Dó Sustenido. A C# foi desevonvida em 2000 pela Microsoft. Essa linguagem é uma versão da C, incorporando características de outras linguagens mais modernas como a Object Pascal e Java.

7. C

É a linguagem utilizada em softwares populares como o Google Chrome e os sistemas operacionais da Microsoft, a C foi desenvolvida em 1983 com o objetivo de substituir a C.

6. CSS

Uma das siglas mais comuns para quem está acostumado a lidar com sites. A Cascading Style Sheets (CSS) é utilizada principalmente na criação do layout de sites. Junte ao HTML e Javascript que terá a mais comum combinação para a criação menus e apps.

5. Python

Criada nos anos 90, a Python é reconhecida como uma das mais simples linguagens de programação. Tal facilidade é motivo pela sua popularidade entre programadores de todos os níveis.

4. PHP

Amplamente usada pelo Wordpress, Yahoo e, até mesmo, o Facebook, a linguagem de programação PHP é utilizada em um terço de todos os sites na internet, segundo estimativas.

programação3. Ruby

Considerada pelo Github como a melhor amiga do programador, a linguagem Ruby está sendo utilizada desde meados da década de 90 e não há previsão para que sua popularidade se encerre.

2. Java

Java foi originalmente desenvolvida por James Gosling na Sun Microsystems ( que já foi adquirida pela Oracle Corporation) e lançado em 1995, a linguagem toma grande parte de sua sintaxe do C e C , mas tem menos recursos de baixo nível do que qualquer um deles.

1. JavaScript

Apesar do nome, a linguagem JavaScript e Java não têm muito em comum. É considerada, junto com o HTML e o CSS, uma das tecnologias fundamentais de internet, sendo usada pela maioria dos sites da atualidade.

Domina algumas dessas linguagens de programação? Se não, não há problema! Afinal, com o SitePX toda a construção do seu site é feita de forma automática em uma plataforma amigável. Mas, de qualquer forma, é interessante conhecer a lista!

Para mais dicas de empreendedorismo e como criar um site de sucesso, continue acompanhando o SitePX.

Categoria: Conteúdo
Compartilhar

5 falhas na sua estratégia de Inbound Marketing

Publicado por Júlio Rocha em 21/08/2015 às 15h04

inbound marketing

Quem acompanha o SitePX sabe que Inbound Marketing é a tendência do momento. O antigo marketing agressivo não funciona tão bem na internet quanto o princípio do marketing de atração, que traz os internautas para empresa oferecendo conteúdo interessante e relevante. A segmentação do público e a facilidade de evitar publicidade são fatores que contribuem para que o Inbound Marketing tenha chegado para ficar.

No entanto, praticar o marketing de conteúdo não é simplesmente criar um blog e esperar a mágica acontecer. É necessário saber o que está fazendo. A jornada só começa quando você criar um site. Tentar praticar o Inbound Marketing sem levar alguns pontos em consideração pode ser jogar seus esforços na lixeira! Mas não se preocupe, o SitePX está aqui para te ensinar os principais motivos que podem levar sua estratégia ao fracasso. Vamos à lista:

  1.        inbound marketingFalta de planejamento – Aqui no SitePX sempre ressaltamos a importância de ter uma estratégia bem delineada e devidamente documentada. É preciso escolher bem quais mídias utilizar e quais redes sociais trabalhar. Definir a frequência ideal de publicação, público-alvo, qual conteúdo trabalhar... Ter tudo isso certo e anotado e é fundamental para saber que diretrizes seguir e não se perder durante a produção.
  2.        Não acompanhar resultados – A produção de conteúdo não termina depois da postagem! É preciso fazer o trabalho de divulgação e, também, de acompanhamento. Afinal, de que outra forma você pode saber se o seu conteúdo está agradando? Acompanhe tantos as métricas de audiência quanto os comentários do público. Dessa forma, será possível saber o que mudar, o que manter e onde concentrar esforços.
  3.        Não colocar uma meta – A meta é muito importante. Mas não adianta sair dobrando metas, pois ela precisa ser alcançável e realista. Metas do tipo “triplicar vendas”, “ter um milhão de seguidores” e outras podem até ser bem legais. Mas serão tão possíveis assim? Começar pequeno pode ser muito melhor. Que tal “fazer cinco posts por semana”, “aumentar o mailing em 20 contatos por dia”? São possíveis e, ao atingi-las, é possível mirar objetivos mais complexos!
  4.        Não investir em blogs – Mesmo que o seu foco sejam vídeos, podcasts ou desenhos, oferecer conteúdo em texto é fundamental. E não só porque o internauta gosta de ler, mas porque o Google adora textos e beneficia sites recheados deles. Mantendo um blog com cinco postagens semanais, você poderá melhorar a reputação da sua página perante os buscadores e, ainda, praticar o SEO para várias palavras-chave diferentes.
  5.        Não se mantém atualizado – Pense em todas as mudanças tecnológicas nos últimos cinco anos. Muita coisa diferente, não é? Pois a internet é assim! Está sempre mudando. O Google, por exemplo, atualiza quase duas vezes por mês o seu algoritmo de busca. Se você não estiver em dia com as novas práticas e atualizações vai acabar ficando pra trás.

Certifique-se de que não está cometendo nenhuma desses erros e, provavelmente, sua estratégia de inbound marketing estará nos eixos para decolar de vez. Continue seguindo o SitePX para mais dicas de empreendedorismo e como criar um site de sucesso!

Compartilhar

left show tsN fwR fsN|left tsN b01e fwR bsd show|left fwR tsN show|bnull||image-wrap|news login c05|fsN fwR normalcase tsN|c05|login news fwR normalcase|tsN fwR normalcase|normalcase fwR c05|content-inner||