Conteúdo

10 coisas para fazer antes de publicar conteúdo

Publicado por Júlio Rocha em 20/04/2015 às 13h41

criar um site
Com toda a pressa e velocidade de uma rotina profissional de produção de conteúdo, pode ficar difícil dedicar muito tempo a algumas etapas aparentemente menos importantes do processo de publicação. O que, infelizmente, não pode acontecer. Talvez, de fato, alguns tratamentos precisam de mais dedicação do que outros. Depois de criar um site e começar a publicar conteúdo, é necessário saber quais são esses tratamentos.

Pensando nisso, o post de hoje do SitePX compartilha os passos fundamentais que devem entrar no checklist do produtor de conteúdo antes de clicar no botão “publicar”. Confira a lista a seguir:

  1. criar um siteAtente-se aos objetivos da empresa – Praticantes do marketing de conteúdo possuem uma boa estratégia documentada, certo? E, nessa estratégia, estão definidos os objetivos do marketing de conteúdo da empresa. Lembre-se, então, de ter certeza de que o conteúdo publicado esteja de acordo com esses objetivos.
  2. Direcione para um público específico – Postando conteúdo regularmente é possível atingir um grande público sem que todo material seja direcionado para o mundo. Definindo as diferentes personas da empresa, deve-se dedicar a publicação a um público específico.
  3. Otimize as palavras-chave – No mesmo documento com a estratégia de marketing deve haver uma lista palavras-chave relevantes para a marca. Tenha certeza que o conteúdo esteja otimizado para uma ou duas delas.
  4. Faça links – Seja para seu próprio site ou para fontes externas, é importante para o SEO e para a credibilidade do veículo sugerir outros conteúdos para o leitor. Uma sugestão para sites com o objetivo de venda de produtos é linkar a página de um produto específico no conteúdo produzido.
  5. Título chamativo – Na internet, a atenção do leitor precisa ser capturada rapidamente. Seja pela busca no Google ou pelas redes sociais apenas a combinação do título impactante e uma boa imagem podem garantir o clique do leitor.

  6. Use a mesma voz –
    Mesmo quando a produção de conteúdo envolva trabalhos assinados por pessoas diferentes é importante que o tom das publicações mantenha um padrão que possa ser reconhecido pelo leitor. Vozes muito diferentes passam a sensação de inconsistência.
  7. Inclua imagens – De preferência fotografias! É bom para o SEO e para atrair leitores. Cuidado, no entanto, para não infringir leis de diretos autorais.
  8. checklistFormatação - É de extrema importância visualizar a postagem antes de publicá-la. Apenas dessa forma é possível garantir que o conteúdo esteja disposto de forma a ter a melhor legibilidade. Tenha sempre em mente a diagramação mobile também!
  9. Revisão ortográfica – Fundamental! Pequenos erros de digitação podem até ser relevados, mas erros de ortografia – especialmente quando são vários – podem resultar em crucificação. Leia o texto quantas vezes puder e, de preferência, chame alguém para revisá-lo de novo.
  10. Uma boa conversa – Estimule o engajamento. Tenha certeza de que o conteúdo dá brechas para que o consumidor comente, concorde ou discorde, e, de preferência, sinta-se compelido a compartilhar.

Criar um site é só o começo! Há muito para ser feito antes de se tornar um grande produtor de conteúdo. Mas, pode ter certeza, fazer um checklist com estes dez itens antes de publicar um texto pode fazer toda a diferença. Assim como continuar lendo o blog do SitePX com dicas semanais de empreendedorismo e como criar um site de sucesso!

Categoria: Conteúdo
Compartilhar

O público não gosta de publicidade? Tente o conteúdo!

Publicado por Júlio Rocha em 17/04/2015 às 13h36

content marketing
A publicidade em vídeos, páginas e e-mails é um ponto controverso da internet atualmente. Por um lado, as marcas precisam se divulgar e os veículos precisam arrecadar. Por outro, a internet chegou para o público doméstico com uma promessa de liberdade cujo cumprimento a propaganda obrigatória dificulta. Quando o consumidor finalmente conseguiu escapar das propagandas de TV, rádio e jornal ainda há quem insista em retroceder aos anúncios obrigatórios?

O plug-in Adblock, por exemplo, é um dos mais instalados atualmente justamente por impedir que anúncios indesejados – no caso, todos eles – sejam abertos pelo navegador. Não à toa, os anunciantes e veículos publicitários estão perdendo cabelo na tentativa de determinar uma estratégia para evitar que o internauta passe direto pela publicidade. Mas seria esse o caminho ideal?

A solução é o marketing de conteúdo

E se alguém dissesse que é possível não apenas levar sua marca para o público, mas, também, fazer com o que o público a procure? Não precisaria chamar o sujeito em questão de louco ou sonhador, pois, de fato, isso é uma realidade. É preciso, apenas, entender que o internauta não quer um vendedor virtual o seguindo em todas as páginas que acessa. O presente é a opção, o direito de escolher o que ver, ler ou assistir.

Este é o momento, então, em que o bom empreendedor começará a praticar o marketing de conteúdo. É hora de tornar a marca ou empresa algo além de uma solução para alguma necessidade momentânea do consumidor, é preciso se tornar referência. Produzindo bom conteúdo, seja em vídeo, texto, imagem ou qualquer outro formato que domine, a marca consegue angariar uma legião de seguidores fiéis. E como fazer isso? Confira os primeiros passos:

  • marketing de conteúdo

    Ganhe permissão – É importante entender que o conteúdo é feito para o público, não para a empresa. Ao acessar bons conteúdos de determinada empresa ou marca, o internauta irá, aos poucos, dando permissão ao produtor de conteúdo para compartilhar seu trabalho em suas redes sociais e e-mail, por exemplo.
  • Saiba o que eles querem – Usando ferramentas como o Google Analytics, o produtor possivelmente irá perceber que uma pequena parcela de conteúdo possui desempenho muito maior do que a maioria. No entanto, isso não é algo negativo. Quer dizer, apenas, que é esse o conteúdo que o público da empresa procura. Dessa forma, é possível moldar as próximas publicações para satisfazer as expectativas do leitor.
  • Saiba usar os dados do consumidor – Hoje em dia é muito fácil conseguir informações dos internautas. Inclusive, é bem recomendado que empresas utilizem essa possibilidade para montar estratégias de marketing digital. O cliente, porém, sentirá que teve sua privacidade invadida caso a marca demonstre saber demais sobre sua vida. E, caso utilize recursos que chamem o consumidor pelo nome, é importantíssimo que não o chame pelo nome errado.
  • Sete segundos – Sete segundos é o tempo que o cliente leva para decidir se vai ou não dar atenção ao conteúdo. Para garantir que sim, é preciso apresentar apelo visual ou, pelo menos, uma chamada atraente.

Um reforço da importância do conteúdo no mercado atual: o público de televisão americano está deixando de assistir a programação ao vivo para assisti-la mais tarde podendo pular a publicidade. A internet vive uma era em que não tem jeito, o consumidor não aceita propaganda enfiada goela abaixo, é preciso ganhá-los com bom conteúdo.

Categoria: Conteúdo
Compartilhar

O que é conteúdo de qualidade para o Google?

Publicado por Júlio Rocha em 15/04/2015 às 11h18

googleNão é segredo que o Google possui um complexo algoritmo que ranqueia diversas páginas da web conforme a adequação a uma série de regras. Também não é segredo que o Google é responsável por grande parte dos acessos da maioria dos sites. Dessa forma, é muito interessante garantir que seu site esteja de acordo com tais regras.

Algo que o Google considera de suprema importância na hora de definir qual página deve estar em primeiro lugar é a qualidade do conteúdo. No entanto, qualidade parece ser um fator um tanto quanto subjetivo para ser matematicamente mensurado. Por isso, o próprio Google lança constantes atualizações com novas fórmulas que separam o bom conteúdo do mau conteúdo.

Evite o que o Google não gosta

conteúdo

Se as discussões sobre “bom ou mau”, “bem escrito ou mal escrito” e outras polêmicas dicotomias são subjetivas demais para a matemática, algumas gambiarras podem, sim, ser identificadas por mecanismos automatizados. Portanto, um jeito de provar para o algoritmo do Google que seu conteúdo é de qualidade é provando, justamente, que voce não precisa apelar. Uma lista com algumas características consideradas negativas pelo Google:

  • Conteúdo gerado automaticamente
  • Esquema da troca de links
  • Páginas com pouco – ou nenhum – conteúdo original
  • Cloaking, ou camuflagem de conteúdo, que é o ato de disfarçar o conteúdo de uma página por meio de um URL enganosa
  • Conteúdo copiado
  • Texto com palavras-chaves irrelevantes
  • Conteúdo malicioso, como vírus e phishing

Há, ainda, mais fatores considerados negativos pelo Google, esses são alguns dos principais. É possível conferir os outros diretamente da fonte! Vale lembrar, então, que tais tipos de estratégias são detectadas pelo algoritmo do Google e, consequentemente, sites que as utilizam são penalizados no ranqueamento.

Não ache, no entanto, que o Google considere ruim o uso das técnicas de SEO. Muito pelo contrário, ele até o incentiva. No entanto, caso seja entendido que as técnicas foram usadas para divulgar conteúdo de pouco qualidade, aí sim há a punição.


Há, sim, seres humanos por trás da avaliação do Google

conteúdo

O Google ainda não revelou isso oficialmente, mas documentos vazados apontam que existe um time de Quality Raters da empresa. Ou seja, funcionários reais que leem o conteúdo e o colocam o carimbo de “bom conteúdo” ou “mau conteúdo”. Esta equipe é responsável não apenas por julgar os sites ranqueados, mas, por meio de relatórios, aprimorar o algoritmo. Por sorte, há uma lista de itens que os avaliadores gostam de encontrar no conteúdo:

  • Nível expert – Pode ter certeza que o avaliador saberá dizer se o conteúdo foi feito pelo estagiário, ou, pelo menos, o estagiário ruim. É importante que seu conteúdo transpareça conhecimento.
  • Experiência do usuário – O time do Google busca sites que ofereçam uma boa experiência. Seja pela boa navegação, design agradável e disposição inteligente do conteúdo.
  • Quantidade – Páginas cheias e muitas páginas são um bom sinal. Desde que, é claro, não estejam cheias como linguiças. A qualidade ainda conta!
  • Interação com boas fontes – Quais são as fontes de informação de seu conteúdo? São boas? Então, cite-as! Mostre ao Google que você possui boas referências.
  • Contato acessível – Não deixe que os avaliadores pensem que você está se escondendo. É necessário deixar bem visível uma área de contato!
  • Atualidade – Conteúdo velho e desatualizado não é bem aceito. Dessa forma, lembre-se de manter o site sempre repleto de novidades e não tema mudar o conteúdo de páginas já criadas.

Agora que o leitor já sabe o que fazer e não fazer na hora de produzir conteúdo, uma curiosidade: o filtro de qualidade do Google se chama Panda. Ou seja, há um Panda fiscalizando diariamente o conteúdo produzido por você para garantir que apenas sites de qualidade sejam priorizados no buscador. Divertido, não?

Para mais dicas de empreendedorismo e como criar um site de sucesso, continue acompanhando o blog do SitePX!

Fonte: Content Marketing Institute
Categoria: Como atrair clientes, Conteúdo
Compartilhar

O segredo dos melhores blogueiros do mundo – capítulo final

Publicado por Júlio Rocha em 13/04/2015 às 15h52

blogEstá chegando às bancas de toda a internet o último fascículo da coleção O segredo dos melhores blogueiros do mundo. Ao decorrer de cinco semanas, empreendedores que partiram na aventura de criar um site receberam uma série de dicas valiosas para o sucesso na internet, tais como um guia para aumentar a produtividade, um estudo sobre o processo de publicação, a rotina dos grandes escritores e como determinar o melhor momento para escrever. Finalizada leitura deste derradeiro texto, o leitor estará apto a concorrer os melhores blogueiros de toda a internet.

Lendo e respondendo: a importância do feedback

blogHá várias formas de medir o desempenho das publicações de um blog, algumas automatizadas e algumas mais humanas. As automatizadas seriam as métricas de redes sociais, dados de Analytics e diversas outras medidas demográficas. Este texto, no entanto, diz respeito à forma que está mais relacionado ao conteúdo do que o marketing estratégico: o feedback dos leitores.

De que forma o público dá esse feedback? Várias! Compartilhamentos, curtidas, indicações, visualizações e, é claro, comentários. Enquanto a mensuração das primeiras opções pode gerar dados e relatórios valiosíssimos para o acompanhamento estratégico, os comentários são o principal mecanismo de interação entre o leitor e o conteúdo. É por meio deste espaço que o internauta irá concordar, complementar ou rechaçar as postagens. E cada tipo de feedback requer um retorno sério. Eis, então, uma lista com os principais tipos de comentários e como respondê-los:

Spam

Mensagens automáticas, enviadas para diversas pessoas ao mesmo tempo. Spams são considerados lixo virtual e, caso receba em seu blog, apague sem pena. Se possível, instale um plug-in que detecte e exclua spams de forma automática.

Textão

O tamanho máximo aceitável para o comentário de um post é cerca de 50 palavras – um pouco mais do que o parágrafo anterior deste texto. No entanto, esse limite foi estabelecido por um acordo mútuo não verbal e, infelizmente, nem todos o conhecem. Ou até conhecem, mas estão muito envolvidos com o tema.

Dessa forma, é comum receber comentários de 200, 500 e até 1000 palavras, o que, há de se convir, pode ser um pouco irritante. O procedimento padrão para estes casos é agradecer o comentário, dizer que tal opinião merecia um post em um blog, recomendar a criação de um e já passar o link do SitePX para o sujeito.

O quê!?

Pela pressa de escrever, falta de habilidade com teclado de celular ou, talvez, dificuldade de se comunicar, pode acontecer de o leitor postar um comentário que simplesmente não faz sentido. Educadamente, o blogueiro deve admitir que não entendeu o feedback e dizer que apreciaria uma nova tentativa.

blogNão li, não gostei

Utilizar títulos chamativos e polêmicos é uma faca de dois gumes. Ao mesmo tempo em que pode atrair mais cliques, pode também gerar comentários baseados unicamente na leitura do título. Geralmente, leitores que discordam da informação da chamada são os que mais fazem esse tipo de comentário. Sinta-se à vontade para rir do internautas, mas apenas para si mesmo. Na hora de responder, convide-o para fazer uma “releitura” do post.

Autopromoção

Uma forma comumente explorada de se divulgar na internet é colar um link para seu blog no espaço de comentários de outros blogs que possuam uma leve relação com o tema abordado. Pode ser um pouco chato, mas acontece. Uma resposta interessante é retribuir, entrando no blog do sujeito e postando um link para o seu.

Genéricos

Comentários genéricos, respostas genéricas. Para cada “Muito bom”, “legal”, “achei interessante”, “concordo”, “kkkk” e por aí vai, o blogueiro pode responder de forma igualmente rasa. “Muito obrigado”, “Que bom que gostou” e “volte sempre” são algumas alternativas interessantes.

O interessado

O tipo de comentário mais agradável de responder e, ao mesmo tempo, o que possui maior potencial de atrair e fidelizar leitores. Comentários de até 100 palavras que complementam e debatem o conteúdo de forma pacífica e genuinamente interessada devem ser recompensados. Uma resposta simpática e convidativa é obrigatória para esse tipo de comentário. Além disso, é interessante também a possibilidade de homenagear os melhores leitores com uma área de “melhores comentários da semana”.

Apenas acompanhando o feedback dos internautas é que o blogueiro saberá como seu conteúdo está sendo recebido e, dessa forma, poder avaliar o próprio trabalho. É importante lembrar que a internet é uma via de mão dupla e toda postagem deve ser uma conversa com o leitor. É assim, pelo menos, que os melhores blogueiros do mundo garantem que o bom leitor volte para os próximos textos!

E, finalmente, chega a muito aguardada conclusão da série de cinco textos contando os segredos dos melhores blogueiros do mundo. O aprendizado, no entanto, não para por aí! O blog do SitePX pode ser acompanhado diariamente para muitas dicas de empreendedorismo e como criar um site de sucesso. Fique atento, pois novidades estão por vir!

Categoria: Conteúdo, Marketing Digital
Compartilhar

Google vai priorizar sites com versão mobile

Publicado por Júlio Rocha em 10/04/2015 às 11h03

mobile
Novidade no mundo do SEO: a partir do dia 21 de abril o Google incluirá em sua fórmula um algoritmo que beneficia os sites que possuam versão mobile. Ou seja, há agora uma nova regra de SEO, que, por sinal, o SitePX já está pronto para facilitar para aqueles que optarem por criar um site profissional.

mobileAgora, além de se preocupar com palavras-chave, meta description, H1, negritos e afins, é necessário garantir que o seu site esteja bem apresentável para o público que acessa pelo celular. Mesmo oferecendo uma nova responsabilidade para o empreendedor que escolheu criar um site, a decisão do Google faz todo o sentido.

Hoje, o número de internautas que acessam websites a partir de dispositivos móveis está em uma crescente irrefreável. Como já dito aqui no próprio blog do SitePX, por exemplo, a classe média brasileira acessa a internet pelos smartphones acima de qualquer outro dispositivo. Dessa forma, faz muito sentido que o Google priorize para os internautas os sites que possuam uma boa visualização neste tipo de navegação.

mobileShane Curtin, marqueteiro digital e parceiro do Google pelo AdWords, faz uma comparação interessante.: se o consumidor abraçou os sites em versão mobile, estes funcionam como bons vendedores. E, nas palavras de Curtin, você não mandaria seu melhor vendedor com a barba mal feita e um terno surrado, certo? O mesmo deve valer para o seu site mobile.

Clientes SitePX, então, já estão na vantagem! Todo site criado em SitePX é automaticamente ajustado para versão mobile. Dessa forma, não há risco de o Google ignorar. Mas, de qualquer forma, a notícia serve como um lembrete: não se pode parar no tempo, o mundo do marketing digital é atualizado diariamente!

Categoria: Conteúdo, Marketing Digital
Compartilhar

Segundo o Google, Classe C domina a internet brasileira

Publicado por Júlio Rocha em 08/04/2015 às 10h59

classe c
Com seu fascinante banco de dados, o Google publicou recentemente o estudo Classe C, de Conectados. A análise indica a ascensão da classe média – especialmente a média baixa – no número de brasileiros conectados. O resultado sustenta uma realidade do cenário social do Brasil: a Classe C está tomando conta do país.

Por que é tão importante estudar essa análise? Pois esse novo paradigma afeta drasticamente a cultura e, por consequência, o mundo dos negócios e do marketing em território nacional. Salvo exceções, dificilmente uma empresa atual consegue sobreviver sem saber abraçar a classe emergente que quer ainda mais o espaço que lhe era negado até pouco tempo atrás. Antes de ir para o ponto de vista do marketing, um breve resumo de como essa mudança começou.

A ascensão da Classe C

internetDe uns anos para cá, o Brasil investiu em uma política de inclusão, baseada em redução de juros e medidas populistas, de forma que, em ritmo constante, as esferas mais desfavorecidas da sociedade passaram a ter oportunidades antes impensáveis: comprar celulares, eletrodomésticos, aparatos de tecnológicos, viajar de avião e, é claro, acesso à internet.

No fim das contas, o que aconteceu foi que a classe média aumentou. Quem já estava nela provavelmente não avançou e os que estavam abaixo tiveram a oportunidade de subir. Dados para comparação: na última década, a população brasileira cresceu 10%, a classe média 204%, superando com facilidade a população das classes A e B.

Mesmo que muitos membros mais antigos da classe média ainda torçam o nariz para os novos integrantes, o impacto dessa ascensão na cultura digital do Brasil é imenso. A classe média do país possui uma população de 48,3 milhões de conectados. Apenas essa parcela dos usuários brasileiros já supera os números totais de países como México (44,1 mi), Itália (33,5 mi) e Canadá (29,7 mi). Dentro do Brasil, a Classe C corresponde a 54% dos internautas.

Como a Classe C mudou a internet

criar siteCom a classe emergente dominando mais da metade da internet brasileira, seria no mínimo uma teimosia fechar os olhos para as mudanças que o grupo trouxe para a comunicação digital. Para começar, o principal portal de acesso para a classe média é o smartphone. 78% dos acessos do grupo vem dos celulares inteligentes, enquanto apenas 10% corresponde aos desktops e fatias ainda menores para outros dispositivos. 

Dessa forma, então, é impensável criar um site que não seja responsivo e bem trabalhado para dispositivos móveis. O novo internauta brasileiro quer se conectar a qualquer hora e qualquer momento, sendo que o compartilhamento de fotos, vídeos e informações em redes sociais é a principal atividade. Logo em seguida está a comunicação instantânea em chats – como o Facebook Messenger e WhatsApp – e o envio e leitura de e-mails.

Em termos de entretenimento, a Classe C o encontra, principalmente, em vídeos no YouTube. Por ser uma ferramenta gratuita e oferecer entretenimento simples, curto e variado, a rede de vídeos do Google garante horas de diversão. Além de fornecer a maior parte da cultura musical da classe média – juntamente com a televisão, é claro.

É preciso lembrar, no entanto, que a qualidade da educação nacional não cresceu junto com o poder aquisitivo das classes emergentes. O domínio da tecnologia ainda pode melhorar bastante e, na hora de fazer campanhas, é importante lembrar que a linguagem simples e em português será absorvida mais facilmente. No entanto, os novos usuários utilizam a internet para empreender. Em alguns anos, uma nova pesquisa pode trazer resultados animadores.

O estudo do Google prova que na hora de criar um site é necessário despir-se dos preconceitos sociais e adaptar-se a nova cara da comunicação de massa na internet. É claro que existem empresas de todos os tipos e todos os públicos. Mas quem deseja atingir a maioria precisa compreender a nova linguagem da internet.

Para continuar o processo de aprendizado, é só continuar acompanhando o blog SitePX com as dicas de empreendedorismo e como criar um site de sucesso!

Categoria: Conteúdo
Compartilhar

O segredo dos melhores blogueiros do mundo – Parte IV

Publicado por Júlio Rocha em 06/04/2015 às 10h33

blogComo toda boa trilogia, a série “o segredo dos melhores blogueiros do mundo” está chegando a seu quarto volume. O leitor do SitePX já sabe como se tornar mais produtivo, como o trabalho do blogueiro é coletivo e a importância da rotina na hora de escrever. O texto de hoje pode ser considerado um aprofundamento em um dos pontos abordados no anterior: qual é o melhor momento para escrever?

A melhor hora para escrever, segundo a ciência

Um dos pontos mais importantes da rotina do blogueiro é a hora de escrever. Se possível, ela deve ser a mesma todos os dias. Hemingway, por exemplo, gostava de escrever quando os primeiros sinais da luz do sol adentravam a casa pela janela. Saiba, caro leitor, que há uma explicação científica para essa preferência do autor de Paris é uma festa.

Não que seja impossível escrever fora do horário, mas a ciência indica o momento mais propício para a criatividade. Dentre todos os horários possíveis de um dia, dois são aqueles mais defendidos pelos cientistas: a manhã e a noite. Enquanto uma série de argumentos defende o primeiro, outra série – igualmente válida – defende o segundo. Cabe, então, ao leitor identificar em qual dos grupos se encaixa.

blogDe onde vem a criatividade?

É importante compreender que o momento de escrever pode não ser o mesmo de pensar e resolver os problemas que serão discutidos no texto. O sujeito que possui capacidade de focar na escrita pela manhã, provavelmente terá suas ideias e argumentações planejadas na noite anterior, pois é no momento de cansaço que a mente consegue dispersar de uma atividade para dar espaço aos pensamentos e divagações necessários para a proliferação da criatividade.

O argumento científico é que a criatividade pode ser ativada com a liberação de dopamina no corpo. Segundo a pesquisadora Alice W. Flaherty, o pensamento criativo cresce em uma escala diretamente proporcional ao nível do hormônio no corpo. Dessa forma, atividades como tomar banho, dirigir, correr, praticar esportes, jogar e, até mesmo sonhar, podem estimular a criatividade.

Para a psicóloga e pesquisadora da Universidade de Harvard Shelley H. Carson, a dopamina sozinha não é responsável pela criatividade. Afinal, são vários os momentos em que o corpo humano produz dopamina e nem todos estão relacionados ao pensamento criativo. Para Shelley, a distração também fundamental para a criatividade, pois oferece uma pausa necessária na tentativa de desvendar mistérios e resolver problemas.

Porque escrever de manhã


Há quem diga que pela manhã o ser humano dispõe de toda energia e força de vontade que poderá gastar durante o dia. Dessa forma, ao acordar está no momento mais propício para realizar atividades. Além disso, no começo do dia o cérebro está mais propenso para a criatividade e, conforme passa o dia, vai entrando em um estado mais analítico.

Os hábitos matinais também se tornam mais facilmente parte da rotina. Escrever de manhã, com o tempo, se torna uma atividade como comer, escovar os dentes e lavar o rosto – não necessariamente nesta ordem. Sem contar que o humor do blogueiro ainda não foi afetado pelos acontecimentos do dia.

blog

Quem é do time Hemingway, então, pode ganhar com algumas dicas. Primeiro, a manhã deve ser um momento unicamente dedicado à escrita. Não é um problema comer ou fazer a higiene matinal, é claro. No entanto, atividades que necessitem de dedicação intelectual devem ficar para depois. Mesmo pesquisa e edição devem ser deixadas para outro momento do dia.

E, o mais difícil para alguns, esquecer as redes sociais. É preciso resistir ao impulso de dar bom dia aos contatos do Facebook, pois o login nas redes sociais dificilmente é uma atividade rápida e de pouca dedicação. Uma dica é considerar o acesso às redes como uma recompensa pela escrita. Tenha certeza, leitor, de que Hemingway não tuítava antes de escrever.

Porque escrever à noite

Se os escritores da manhã são do time Hemingway, os da noite são do time Kafka. O principal motivo do autor alemão de escolher o fim do dia para escrever é a falta de distrações. A distração pode ser fundamental para a criatividade, mas é venenosa quando há a necessidade de foco. Dessa forma, com a casa vazia e o horário de trabalho acabado, provavelmente nada nem ninguém irá tirar o escritor de sua tarefa.

Os blogueiros que são mais produtivos à noite desenvolvem o raciocínio e resolvem problemas no decorrer do dia. Dessa forma, quando a noite chega, estão prontos para por as ideias no papel, ou no computador – afinal, este é o século XXI. E, não tendo mais atividades e cobranças até o fim do dia, o blogueiro não precisa de pressa alguma à noite. A única coisa que pode desviá-lo do trabalho é a necessidade de dormir.

Seja o leitor do SitePX um blogueiro da manhã ou da noite, é importante lembrar: a hora de escrever deve ser sempre a mesma. Como bem explicitado no texto anterior, a rotina é fundamental para o blogueiro.

Agora, leitor, aproveite a semana para absorver as informações contidas nestes cinco mil caracteres e, também, recapitular os capítulos anteriores da série. Na próxima segunda-feira, esteja preparado para a conclusão da saga “o segredo dos melhores blogueiros do mundo”.

Categoria: Conteúdo
Compartilhar

O que é busca orgânica? Por que isso é bom?

Publicado por Júlio Rocha em 01/04/2015 às 10h09

seo
Ao terminar a etapa de engatinhar e começa a dar os primeiros passos da criação de sites, o empreendedor provavelmente começará a ouvir falar sobre uma série de termos como SEO, links patrocinados, AdWords, busca orgânica e muitos outros. É importante entender cada um desses conceitos para poder criar um site de sucesso. Por isso, todos eles ganharão posts individuais, o de hoje é a busca orgânica.

seoO conceito de busca orgânica, ou acesso orgânico, é muito utilizado para se referir ao processo de busca em sistemas como o Google. Basicamente, orgânico é aquele acesso que vem sem a necessidade de pagar por ele. Ou seja, o internauta deve encontrar o seu site no buscador, sem depender de um link patrocinado. Este que, por sua vez, é um mecanismo pago para estar sempre entre os primeiros lugares das buscas.

Pagar não é mais fácil?

De fato, sim, pagar é mais fácil. Mas isso não quer dizer que seja melhor. Principalmente porque o marketing digital permite que o empreendedor cative o público com gastos moderados. Mas, o mais importante, é que o acesso orgânico é aquele que tem mais chances de fidelizar o internauta.


O link patrocinado é importante, sim, como uma forma de divulgação em massa, mas apenas com a busca orgânica que seu site ganhará força com o público. O bom marketing é aquele que consegue mesclar o uso de links patrocinados com as técnicas para melhorar a busca orgânica.

seo

Como conseguir busca orgânica?

É aí, leitor, que entra o SEO. Já ouviu falar? É a sigla em inglês para Search Engine Optimization, a otimização do motor de busca. O SEO é um conjunto de regras e técnicas que visam garantir que o seu site esteja sempre entre os primeiros a aparecer nos buscadores, como o Google, quando alguém realizar uma pesquisa sobre a sua área de atuação.

E, o melhor, é que praticar o SEO é de graça! Não cabe neste espaço um detalhamento de todas as regras e técnicas. Mas, com o SitePX, saiba que SEO nunca será um problema. Nosso sistema possui um recurso automático para certificar de que o seu conteúdo está adequado às normas do Google para, dessa forma, garantir a busca orgânica.

Sabendo a diferença entre busca orgânica e links patrocinados,  já acha que está pronto para partir para a aventura de criar um site? Com o SitePX como aliado na jornada, não há porque temer! Continue acompanhando o nosso blog para mais dicas de como criar um site de sucesso.

Categoria: Conteúdo, SEO
Compartilhar

O segredo dos melhores blogueiros do mundo 3 - O Retorno

Publicado por Júlio Rocha em 30/03/2015 às 14h34

O que são os blogueiros se não escritores do mundo moderno? Agora que o leitor já sabe como melhorar sua produtividade e entende que o processo de criação de conteúdo é coletivo, está na hora de entender a importância de uma rotina para escrever. Para dar brilho às dicas, as rotinas de famosos escritores como Stephen King e George Orwell serão comentadas neste espaço.

A rotina faz os grandes escritores

blogueiros também são escritores

Criatividade. Ao tentar gerar a imagem de uma pessoa criativa em sua cabeça, qual é a imagem alcançada? Um sujeito elétrico vivendo uma vida de surpresas e completamente inesperada? Possivelmente, um escritor quieto sentado à mesa com uma rotina repetitiva e previsível talvez não pareça algo tão condizente com o imaginário de criatividade. No entanto, é importante que o leitor compreenda que, na verdade, foi de uma rotina monótona que saíram as mais impressionantes histórias.

O processo não é diferente para o blogueiro, ou o empreendedor que acabou de criar um site. Um dia insano e inesperado não será aquele dia em que um grandioso texto será escrito. Talvez, no dia seguinte, quando o autor se recuperar da loucura de ontem e voltar à sua rotina diária, ele escreverá um fascinante relato sobre o dia anterior. Mas, para isso, o processo repetitivo é necessário.

As rotinas dos melhores escritores do mundo

Ernest Hemingwey possuía uma rotinaSe os blogueiros são, de fato, escritores do mundo moderno, nada mais válido do que conhecer a rotina de renomados autores. Muito antes de existir a possibilidade de criar um site, o alemão Franz Kafka – conhecido por seus textos loucos e imprevisíveis – já havia adotado uma rotina para escrever. O autor precisava esperar toda sua família ir dormir para, apenas então, sentar-se em seu escritório e deixar sua imaginação transformar personagens em besouros.

George Orwell, autor do romance fantástico 1984, criou a distópica Oceania e o Grande Irmão sentando todas as manhãs em um cantinho do Booklover’s Corner – sebo  de Londres onde trabalhava à tarde. Assim como Orwell, Ernest Hemingway preferia escrever pela manhã, de preferência, ao ver surgir os primeiros raios de sol. Pode ter certeza de que Hemingway escreveu O velho e o mar no conforto de sua casa ou algum hotel parisiense, não a bordo de um barco de pesca.

E o hábito mais importante da rotina de qualquer escritor é, veja só, escrever. Stephen King, um mestre contemporâneo da literatura macabra, diz escrever absolutamente todas as manhãs tentando manter uma média de duas mil palavras diárias. Outro defensor da escrita no dia a dia é o russo Leon Tolstói, pelo menos é o que consta em um de seus diários de 1860. O autor dizia escrever diariamente não pelo sucesso, mas, justamente, para não quebrar a rotina.

Com blog é a mesma coisa

Criatividade é importante para um blogObviamente, nem todo blogueiro é um Kafka ou Tolstói. No entanto, isso não quer dizer que não possa aprender com a experiência dos velhos mestres da literatura. Para começar, o bom escritor – de blog ou literatura – precisa de um bom repertório. Segundo, porque eles não são os mestres à toa.

É claro que, muitas vezes, o trabalho do blogueiro é vinculado a um ambiente empresarial, o que dificulta algumas liberdades na hora de encontrar uma rotina ideal. Um blogueiro contratado provavelmente não poderá esperar todos irem dormir para começar a escrever, como Kafka. E, talvez, não possa acordar tão cedo quanto Hemingway.

No entanto, os exemplos famosos ensinam lições valiosas para a vida prática. Como fez Hemingway, o blogueiro deve descobrir o momento do dia em que está mais disposto para escrever. Como fez Kafka, deve encontrar a solução ideal para escapar de um ambiente inóspito para a criatividade. Como fizeram Tolstói e King (que ainda o faz), deve escrever todos os dias para que o hábito nunca saia da rotina.

E, uma dica final que pode ser tirada deste texto, leia pelo menos uma obra de cada um desses autores. Como um escritor, o blogueiro precisa de referências, das mais variadas possíveis, para encontrar seu próprio estilo e profissionalizar a escrita. Além, é claro, dos momentos de diversão e reflexão que tais leituras podem proporcionar.

Agora, leitor, aproveite a semana para encontrar sua rotina perfeita e ler alguns dos clássicos mencionados. Na próxima segunda-feira, volte para conferir mais um dos segredos dos melhores blogueiros do mundo. Com as dicas do SitePX, você vai poder criar um site de sucesso.

Categoria: Conteúdo
Compartilhar

Ferramentas gratuitas para medir seu sucesso nas redes sociais

Publicado por Júlio Rocha em 27/03/2015 às 11h09

sitepxO termo Analytics tem sido amplamente utilizado para a prática de mensurar e obter dados demográficos sobre o efeito do conteúdo digital no público. Nas redes sociais, a necessidade de um bom trabalho de Analytics é tão grande quanto na criação de sites. Leitores do SitePX devem ter percebido que em muitos dos textos postados é mencionada a importância de monitorar o desempenho.

O princípio das ferramentas apresentadas no texto de hoje é que o empreendedor possa fazer um bom trabalho de monitoramento sem necessitar de um grande gasto inicial em ferramentas. Conforme o trabalho ganha dimensões e sucesso, chegará a hora de investir em softwares mais avançados. Enquanto isso, confira a lista!

sitepxBuffer

O Buffer reúne as métricas de sua empresa no Facebook, Twitter, LinkedIn e Google , gerando relatórios e informações úteis sobre seu desempenhos nessas redes sociais. Na versão gratuita do aplicativo – você pode pagar por mais recursos – já é possível determinar os posts e tweets de maior sucesso, além de gerar a média de engajamento da rede social, para que seja possível fazer comparações com os novos posts.

Followerwonk

É muito difícil conhecer todos os seguidores de uma empresa no Twitter? Com o Followerwonk, nem tanto. A ferramenta checa dados de todos os seguidores e os organiza em gráficos e tabelas que facilitarão para o empreendedor a compreensão do seu público.

Além de gerar um verdadeiro tesouro em termos de informações sobre consumidores, o Followerwonk ainda dá relatórios sobre o melhor horário para tweets. E, se quiser, é possível gerar dados sobre os seguidores de concorrentes.

Quintly

O Quintly é voltado para análise do Facebook. Os dados que ele apresenta são, basicamente, os mesmos que o próprio Facebook disponibiliza. O diferencial do Quintly é a possibilidade de analisar e comparar até três páginas simultaneamente, sendo possível pagar por mais. A comparação com empresas parceiras e rivais é o principal foco da ferramenta. Afinal, conhecer adversários é quase tão importante quanto conhecer a si mesmo.

sitepxTweriod

O Tweriod é uma ferramenta que se assemelha ao recurso de definir o melhor horário para postagens do Followerwonk. A diferença é que essa ferramenta analisa o perfil da empresa, e não dos seguidores. Analisando as postagens da empresa, o Tweriod gera um relatório de acertos e erros em termos de engajamento.

Addvocate

Uma ferramenta para detectar advogados da sua marca nas redes sociais. Nada mal, não é? O Addvocate analisa os perfis que mais compartilham seu conteúdo nas mais variadas redes sociais. Dessa forma, é possível conhecer o nível de influência de seus seguidores e entender como produzir conteúdo que gere engajamento. Além disso, o empreendedor será capaz de determinar qual rede dá mais retorno para a empresa.

Combinando essas ferramentas, o sucesso na internet passa a estar mais próximo do empreendedor. Especialmente se ele souber em quais redes sociais cadastrar sua empresa. Afinal, gerenciamento de tempo também é importante na hora de fazer um bom trabalho.

Para mais dicas de empreendedorismo e como criar um site de sucesso, continue acompanhando o blog do SitePX!

Categoria: Conteúdo
Compartilhar

left show tsN fwR fsN|left tsN b01e fwR bsd show|left fwR tsN show|bnull||image-wrap|news login c05|fsN fwR normalcase tsN|c05|login news fwR normalcase|tsN fwR normalcase|normalcase fwR c05|content-inner||