Conteúdo

Como o marketing digital pode formar um advogado da marca

Publicado por Júlio Rocha em 25/03/2015 às 10h50

marca
Tornar a marca conhecida na internet é inegavelmente útil, mas será que é suficiente? O conceito de advogado da marca – ou defensor da marca – sugere que a empresa vá além de ser conhecida e fidelize os consumidores. Praticando o bom marketing digital – após criar um site, é claro – é possível conquistar uma legião de defensores que poriam a mão no fogo pela marca.

Tal fidelidade pode ser a mais barata estratégia de marketing. Já ouviu a máxima de que fidelizar um cliente pode ser cinco vezes mais barato do que conquistar um novo? Além disso, o público fidelizado chega a representar até 65% das vendas de um site, segundo dados levantados pelo pesquisador Steve Dennings.

Para reforçar o conceito: o advogado da marca é aquele cliente, satisfeito e empolgado com a empresa, irá defender a marca de qualquer acusação e, ainda, divulgá-la sempre que possível. A empresa, para o advogado da marca, se torna algo parecido com aquele comércio de bairro, que nunca decepcionou e você recomenda para todos. O post de hoje do SitePX é para que o empreendedor aprenda como conseguir esse tipo de cliente!

Atendimento especial

advocateUm dos princípios da fidelização é fazer com que o cliente se sinta próximo à marca. Nada mais prático para fazer isso, então, do que um atendimento especial. Responder comentários do Facebookda forma certa, é claro – faz com que o consumidor perceba sua importância para a marca. Afinal, uma empresa como centenas, ou mais, de usuários dedicando seu tempo precioso para respondê-lo é uma boa massagem no ego.

Caso o cliente faça contato direto com a empresa, para tirar dúvidas ou reclamar de algum problema, um atendimento dedicado e atencioso será lembrado para sempre. Quando o consumidor se dá ao trabalho de se comunicar com a empresa é porque ele necessita de uma resposta completa e prestativa.

Outra boa estratégia é oferecer bonificações para os clientes que retornam. Um e-mail marketing de agradecimento é um bom começo. Um cupom de desconto para a próxima compra, ainda melhor. É o famoso conceito de reforço positivo da psicologia comportamental! O cliente saberá que sua fidelidade será recompensada, mesmo que de forma simples.

Abrace o cliente, não o mundo


Segmentar o público
é, facilmente, mais lucrativo do que tentar alcançar a todos. Afinal, como pode ser possível criar um site que agrade absolutamente todos os públicos? Simplesmente não é possível! Para começar, escolha suas redes sociais, não use todas – como SitePX explica em outro texto.

está formado o advogado da marca

Acima de tudo, saiba que tipo de público procura sua marca. Crie personas e faça o marketing da empresa de forma a se comunicar diretamente com o público-alvo. O consumidor precisa entender que a marca é feita para atender suas necessidades. Inclusive, o marketing digital deve ser voltado completamente para o cliente.

A criação de conteúdo não deve servir para deixar alegres os membros do alto escalão da empresa e, sim, ser útil para o consumidor. E, para saber se as estratégias estão dando certo, é necessário manter constante – diário, de preferência – o gerenciamento e monitoramento. Apenas dessa forma é possível saber como o público está reagindo às iniciativas.

Pode parecer difícil, ou muito para lembrar. Mas é importante ter apenas uma coisa: clichês à parte, o cliente vem em primeiro lugar. Ou, no mínimo, ele precisa sentir que a empresa pensa assim. É dessa forma que o marketing digital irá graduar os advogados da marca, da sua marca!

Enquanto forma os advogados, continue acompanhando o blog do SitePX para mais dicas de empreendedorismo e como criar um site de sucesso!

Categoria: Conteúdo
Compartilhar

O segredo dos melhores blogueiros do mundo, parte 2

Publicado por Júlio Rocha em 23/03/2015 às 10h03

Semana passada, o SitePX deu início a série de postagens que reúne os principais comportamentos que levam os melhores blogueiros ao sucesso. O primeiro texto foi sobre a importância de utilizar estratégias que visam aumentar a produtividade. Agora, é a vez daqueles que decidiram criar um site e se aventurar na internet aprenderem que fazer um blog não é um trabalho completamente solitário.

Onde os blogueiros buscam ajuda?

até os melhores blogueiros precisam de ajuda

Afirmar que sustentar um blog é uma tarefa coletiva não necessariamente quer dizer que o blogueiro terá alguém sentado ao seu lado, conversando, trocando ideias e, quem sabe, até fazendo uma massagem. Pode até ser que haja quem prefira trabalhar assim, mas mesmo o mais solitário dos blogueiros, nas profundezas de sua caverna com Wi-Fi, trabalha com uma variedade de outras pessoas que são fundamentais para a criação de um conteúdo que possa ser considerado um dos melhores do mundo.

Seja para um blogueiro freelancer ou um empresário que decidiu criar um site, as etapas da criação de conteúdo exigem participação de diferentes profissionais e áreas. Afinal, quais são essas etapas? Definição de tema, pesquisa bibliográfica, escrever, revisar, editar, diagramar, ilustrar, publicar... Dependendo do blog, o processo pode ser completamente diferente, mas, de qualquer forma, são etapas demais para uma só pessoa. E quem são essas figuras?

Diretor de Marketing

Uma boa equipes publica o melhor conteúdoA nomenclatura pode variar, mas é indispensável a figura de um responsável pelo marketing e estratégias do blog. Ainda que esta figura não participe diretamente da produção, é necessário definir com o chefe de marketing – ou de redação – como deve ser a linha editorial do blog, desde a seleção de pautas até o tom e tamanho dos textos.

Designer

Para começar, o design do blog em si é parte vital do sucesso do mesmo. O público da internet é muito apegado aos elementos visuais, dessa forma, desprezar uma boa aparência é um erro gigantesco. Além disso, o designer, assim como o blogueiro, produz conteúdo original, seja uma ilustração para um texto ou infográfico informativo.

Revisor

Engana-se quem acha que o bom escritor não erra. O ser humano não é uma máquina, muito pelo contrário, e é isso que torna os textos tão especiais. No entanto, mesmo o mais atento e metódico blogueiro pode deixar passar algumas falhas de ortografia e construção. Mesmo em uma segunda leitura alguns erros podem persistir. Uma pessoa responsável por revisar com atenção é fundamental para que o texto saia o mais próximo possível da perfeição.

Editor

Em equipes menores, o editor costuma exercer também a função de revisor. Afinal, ele é uma das últimas pessoas a ler o texto antes da publicação. Se a revisão é uma busca pela gramática e construção perfeitas, a edição é feita em cima do conteúdo. Cortes e adições, adequações ao público, inserções de palavras-chaves para o SEO... O editor é responsável por garantir que o texto saia nos padrões da empresa.

Editor web

A equipe faz o sucesso do blog

Este, sim, é o último a ler o texto antes da publicação. O editor web – nomenclatura pode variar – não deve revisar ortografia e nem conteúdo, ele é responsável pela postagem do conteúdo. Com domínio das ferramentas de blog – como o SitePX, por exemplo – o editor web garante que o conteúdo seja publicado em sua melhor forma e fazendo uso de todos os recursos interativos necessários.

Em casos perfeitos, existe uma equipe com todos esses membros para garantir a publicação de conteúdo original. No entanto, por questões financeiras é comum que uma só pessoa cubra mais de uma dessas funções. Ainda assim, é importante lembrar que são trabalhos diferentes e devem receber a atenção devida.

No caso de blogueiros freelancer, deve-se perguntar ao contratante se ele possui uma equipe com esses profissionais. Caso contrário, o blogueiro pode – e deve – incluir o valor dessas funções em seu orçamento!

E esta segunda-feira trouxe a segunda parte da série Segredos dos Melhores Blogueiros do Mundo! Como da última vez, aproveite a semana para absorver o conteúdo e se prepare para a terceira parte que sai na próxima segunda-feira. E, lembre-se, criar um site é apenas o primeiro passo para o sucesso. Acredite no SitePX!

Categoria: Conteúdo
Compartilhar

Por que documentar sua estratégia de marketing digital?

Publicado por Júlio Rocha em 20/03/2015 às 11h24

mkt digitalComo o marketing digital ainda é uma área recente – comparado ao quase secular marketing tradicional – é compreensível que nem todas as regras sejam completamente estabelecidas. Por isso é comum encontrar marqueteiros do mundo digital que divergem quanto à forma de se comportar estrategicamente. Alguns utilizam estratégias definidas verbalmente, alguns as documentam e alguns a ignoram. O texto de hoje do SitePX é uma defesa do segundo - e repúdio a terceiro - comportamento listado.

Engana-se quem acredita que criar um site é tudo o que se precisa para prosperar na internet. De fato, é criando um site que se dá o primeiro passo, no entanto, o comportamento estratégico é fundamental. Dados levantados pelo Content Marketing Institute (CMI) mostram que muitos marqueteiros ainda insistem em basear o trabalho em estratégias não documentadas, ou nem utilizá-las. No entanto, os números comprovam que aqueles que optaram pelo registro documental conseguiram algumas vantagens.

Retorno difícil de medir

mktPossivelmente a principal dificuldade enfrentada pelos aventureiros do marketing digital é medir a efetividade dos esforços e campanhas. Segundo a pesquisa do CMI, 33% dos atuantes da área consideram um esforço razoável mensurar o retorno sobre investimento do marketing digital. 21% e 10% consideram muito difícil ou simplesmente impossível, respectivamente. Os números, de fato, pesam a balança para o lado da dificuldade, já que apenas 16% e 5% consideram relativamente fácil e completamente viável, também respectivamente.

É certo, no entanto, que essa dificuldade é inflada pela falta de organização estratégica das empresas. Aqueles que teimam em não usar estratégia alguma atingiram apenas 5% de sucesso na tentativa de mensurar o retorno. A subida para aqueles que possuem estratégia verbal é considerável, 26%. Mas, é claro, o topo da tabela é dos marqueteiros que documentam a estratégia, com 35% de sucesso na hora de medir o retorno.

É certo, no entanto, que mesmo a maior dessas porcentagens ainda é muito baixa. Mas há de se lembrar, também, que a maioria dos profissionais começou recentemente a documentação de estratégias. Dessa forma, é possível que, conforme ganhem experiência, descubram formas eficazes de acompanhar o sucesso financeiro dos trabalhos.

Vantagens da estratégia

mkt digitalPara começar, quanto mais organizada a estratégia, maior a confiança do marqueteiro no trabalho que faz. Aqueles que não utilizam nenhum tipo de estratégia (sério, porquê?) afirmam em apenas 7% dos casos acreditar que a organização é importante para o marketing digital. Os que possuem estratégias não documentadas afirmam em 32% dos casos. Já aqueles que documentam compreendem em 60% dos casos a importância da organização.

Claro que os mais organizados são os que mais acreditam na importância da existência de uma equipe de marketing. 15% dos sem-estratégia possuem uma equipe de marketing (provavelmente o sobrinho e o filho do vizinho são os membros). Os estratégicos possuem uma equipe em 40% dos casos, número que sobe para 69% quando a estratégia é documentada.

Mas nem sempre os organizados encabeçam a lista! Apenas 38% dos que documentam afirmam ter dificuldade de medir o sucesso da campanha. O número sobre 51% quando a estratégia não é documentada e 67% quando ela nem existe. Afinal, quem não possui estratégia não acredita do próprio trabalho. 70% dos marqueteiros de improviso afirmam ter dificuldade de produzir conteúdo relevante. Para os estratégicos, o número cai para 57% e para os que são estratégicos e organizados, para 45%.

Resumindo: ter estratégia é bom, documentá-la é ainda melhor. Os principais motivos para tal diferença é que os estratégicos são capazes de enxergar melhor o desempenho das campanhas e, dessa forma, confiam mais no trabalho prestado. É sabido que escolhe criar um site no SitePX está mirando o sucesso, por isso esse espaço existe. Para compartilhar as melhores dicas de empreendedorismo e como criar um site de sucesso!

Categoria: Conteúdo
Compartilhar

O que fazer e não fazer nas redes sociais

Publicado por Júlio Rocha em 18/03/2015 às 10h36

redes sociais
Já ouviu dizer que existe uma “linha tênue entre a inteligência e loucura”? Ou talvez entre outros dois substantivos aparentemente diferentes? Pois, então, o texto de hoje do SitePX é sobre a linha tênue entre o certo e o errado no comportamento em redes sociais para pequenas e médias empresas. Na verdade, essas regras servem para qualquer um que já teve a experiência de criar um site e levar seu empreendimento para a internet.

Alguns dos pontos que serão ressaltados aqui já foram discutidos em outros textos do blog do SitePX, ainda assim, vale revê-los e juntá-los com os outros. Possivelmente, o leitor irá se deparar com alguns erros que pode ter cometido. Mas não se preocupe, é criando um site, errando e lendo que se aprende como dominar as redes sociais. Sem mais delongas, vamos à lista!

redes sociaisPerfis em redes sociais

O que fazer: Sabe no momento da criação do perfil quando o site pede uma lista de informações como endereço, website, descrição e afins? Preencha todos os campos! E, mais importante, ressalte a sua marca o quanto for possível. São duas as principais razões: disponibilizar de antemão todas as informações que clientes possam precisar sobre sua empresa e, também, reforçar a marca nas redes sociais.

O que não fazer: Criar perfis em absolutamente todas as redes sociais. Talvez no ânimo de ter acabado de criar um site, o empreendedor se sinta na obrigação de criar perfis. Mas, sério, não há porque. Redes sociais demandam tempo e dedicação, que diluídos entre dezenas de perfis, não exercerão de forma plena a função que deveriam. Inclusive, nem todas as redes sociais serão adequadas para o seu empreendimento. Mas não se preocupe, temos um ótimo texto sobre isso aqui no SitePX!

Postagens e publicações

O que fazer: Corra atrás do engajamento! Faça posts diários sobre assuntos da empresa ou da área de atuação pensando sempre em atrair o consumidor. É preciso saber quem é o público-alvo da empresa na hora de postar, mas o SitePX ajuda nisso. Se possível, responda mensagens e comentários o quanto antes e, é claro, de forma profissional, mesmo diante de reclamações ofensivas. Para ajudar, também há um post sobre isso.

redes sociaisO que não fazer: Não inunde a linha do tempo das redes sociais de seus consumidores. A principal função das redes sociais é informar e mostrar autoridade na área. No entanto, posts excessivos terão o efeito inverso no público. Sabe como é chato receber um milhão de notificações sobre Crime Scene ou Kiwi Q&A? Pois, então, é a mesma coisa do que receber uma penca de posts da mesma empresa em um só dia. Três posts diários com um bom espaço de tempo entre eles já está bom tamanho, pode ser até menos.

Planejamento

O que fazer: É importante pensar adiante e não apenas no dia da postagem. Um calendário editorial, por exemplo, ajuda a definir datas especiais que merecem atenção ou melhor momento para compartilhar determinado conteúdo. Algumas redes sociais, como o Facebook, também possuem a função de posts agendados. Dessa forma, é possível fazer a postagem e escolher uma data e hora para que ela seja postada automaticamente.

O que não fazer: No entanto, não dá para viver de postagens programadas e esquecer de monitorar diariamente o que está acontecendo nas suas redes sociais. Comentários, por exemplo, devem ser respondidos o quanto antes. Sem contar que uma série de posts agendados podem não estar tendo bom desempenho, é preciso acompanhar com frequência para saber se é preciso mudar de estratégia.

Perceba como é necessário ter cuidado para gerenciar redes sociais? E há ainda mais a ser dito sobre a tal linha tênue entre o bom trabalho e o exagero. Pode esperar que logo uma segunda parte será postada. Enquanto isso, ponha em prática o que aprendeu nesse post e continue acompanhando o blog do SitePX para mais dicas de empreendedorismo e como criar um site de sucesso!

Categoria: Conteúdo
Compartilhar

Qual é o segredo dos melhores blogueiros do mundo?

Publicado por Júlio Rocha em 16/03/2015 às 09h52

Hoje o Blog do SitePX dá início a uma série de textos que serão publicados toda as segundas-feiras. Cada um desses posts trará um dos segredos utilizados pelos melhores blogueiros do mundo. Esses segredos, por sinal, são o que os colocam no topo da lista. Ao final da última postagem da série, o leitor do SitePX já estará apto a desenvolver os textos que vão levar seu blog ao sucesso! Lembre-se: criar um site é só o começo.

Os melhores blogueiros pensam em produtividade

Produtividade: como fazer mais em menos tempo

Dito sem maiores explicações, citar produtividade como um segredo pode parecer redundante, talvez até desnecessário. Mas será que o leitor saberia dizer como garantir essa produtividade? Especialmente após ter dedicado tanto tempo e forças exercitando a função de criador de sites. Grandes blogueiros conhecem as melhores estratégias para produzir mais e melhor dentro do tempo que lhes é dado, por menor que seja.

Afaste-se do mito de que escrever é uma aptidão puramente natural, talento e produtividade podem, sim, ser adquiridos com insistência e estratégia. Para sustentar um blog – ou mais de um, como fazem vários blogueiros – o mais fundamental truque para aumentar a produtividade é a organização e o pensamento adiante, como o leitor verá na lista a seguir:

Livre-se de bloqueios

blogueiros sabem lidar com bloqueiosEscritores, de forma geral, apresentam o hábito de culpar o tal bloqueio criativo quando se encontram em uma situação de dificuldade de escrever. E os bloqueios realmente existem, mas podem ser previstos e evitados com autoconhecimento. Normalmente, fatores psicológicos relacionados a vida pessoal do autor são motivo dos bloqueios, que são sintomas de um problema externo.

Para livrar-se do bloqueio, então, o blogueiro precisa evitar o causador de tal sintoma. Incômodos da vida pessoal – como relações complicadas, frustrações políticas e a situação do seu time de futebol – devem sair de sua cabeça na hora de escrever.

Há, também, a possibilidade de que a dificuldade seja fruto da vida profissional. Não enxergar um retorno em curto prazo pode gerar a falsa visão de que o trabalho está sendo em vão, quando, na verdade, o que se precisa é mirar o sucesso a longo prazo.

Planeje um adiantamento

O processo criativo pode tomar bastante tempo do escritor. Definir um tema, fazer a pesquisa, colocar no papel, revisar, editar, preparar para a postagem... São vários os passos necessários até a publicação. Dessa forma, repetir essas etapas todos os dias pode consumir mais tempo do que o necessário. Mas e se o redator não precisar passar por todo esse processo diariamente?

Nem todo blog necessita de postagens completamente factuais, que não seriam possível fazer de adianto. Se o blogueiro dedicar um dia para fazer mais de um post – vários, de preferência – poderá deixar como tarefas diárias apenas as etapas finais de publicação. Se for o caso de múltiplos blogs, dedicar o dia a apenas um deles trará um maior aproveitamento do tempo e evitará a quebra do raciocínio.

Tenha pensamento estratégico

uma calendário editorial pode aumentar a produtividadeQuão prático seria o trabalho do blogueiro se ele já recebesse de antemão o tema do dia e, de quebra, um bom material de pesquisa? Pois, então, isso pode ser uma realidade. E não é necessária a figura de um pauteiro ou editor para tanto. O próprio redator pode se pautar com antecedência e deixar salvo para um dia pré-determinado, no qual tudo o que precisará fazer é acessar o material salvo e escrever.

Essa é a base de um calendário editorial (que ainda será mais discutido nos textos por vir!). Definindo com antecedência os assuntos das postagens e guardando material de pesquisa, o blogueiro elimina do trabalho de definição do tema e pesquisa bibliográfica no dia em questão.

Pense em um blog de postagens diárias, por exemplo. Se o autor dedicar a segunda-feira para decidir quais serão os assuntos publicados até sexta-feira, ganhará pelo menos uma hora por dia para dedicar à escrita em si.

Aplique as dicas, é claro

A dica final do primeiro post sobre os segredos do melhores blogueiros do mundo é saiba aplicar o conteúdo adquirido em textos lidos. A leitura – por mais importante que seja – não serve sozinha como sustentação do aprendizado. É necessário exercitar os novos conhecimentos adquiridos.

Por isso, ao fim deste texto, o leitor ganhará muito se começar logo a identificar os fatores que podem desencadear bloqueios criativos, adiantar os textos do blog e começar a definir um calendário com as próximas publicações.

Uma semana é um bom intervalo para começar a desenvolver maneiras de aumentar a produtividade. Na próxima semana, ainda bem, já haverá um novo texto com uma nova dica dos melhores blogueiros do mundo. Basta, apenas, continuar acompanhando o Blog do SitePX.

 

 

Categoria: Conteúdo
Compartilhar

5 mitos do Marketing Empresarial que passam longe da verdade

Publicado por Júlio Rocha em 13/03/2015 às 13h49

b2b

Um mito se cria quando as pessoas passam uma informação sem confirmar sua exatidão, ou sem se importar com isso. Se de um ponto de vista folclórico isso é ótimo e só enriquece a cultura, para o Marketing Empresarial acreditar em qualquer coisa pode ser um tremendo tiro no pé. Por isso sua empresa deve ter segurança ao criar um site e, além de escolher o SitePX, aprender como fazer um site ter sucesso. Algumas visões comuns sobre o Marketing Empresarial são extremamente baseadas em ideias ultrapassadas e conservadoras oriundas de um mundo pré-internet.

Para desmistificar essas concepções equivocadas, o Google utilizou seu banco de dados para entender como funciona o Marketing Empresarial, tanto do lado que compra quanto do que vende. E os resultados são esclarecedores! Por isso, o texto de hoje do Blog SitePX é dedicado a ajudar empresário do ramo de B2B, ou seja, marketing de empresa para empresa. Vamos aos mitos:

1. Jovens não participam das decisões empresariais

Erradíssimo! Os jovens da faixa etária chamada de millennial nos Estados Unidos são responsáveis pela maior parte das pesquisas relacionadas aos negócios empresariais. Os millenials são aqueles que se encaixam no grupo dos que nasceram a partir de 1980 e são considerados internautas nativos. Enquanto em 2012 esse grupo correspondia a 27% das pesquisas, no ano passado esse número subiu para 46%. Quase o dobro da representatividade da próxima faixa etária (35-44) que é responsável por 22% das pesquisas.

dados demográficos de marketing empresarial

2. O marketing deve ser direcionado aos executivos

Como os grandes membros de nível C (CEO, CMO, CIO e afins) são responsáveis pelas decisões financeiras de uma empresa, toma-se como certo que o direcionamento das campanhas de marketing seja para eles. Quem fizer isso, no entanto, vai ver uma campanha falhar miseravelmente. Sim, a palavra final ainda é – na maioria das vezes – do pessoal de cima, em 64% dos casos. No entanto, a influência de outros funcionários na decisão é, geralmente, maior do que a dos próprios executivos. Afinal, quem utilizará o maquinário comprado não será o diretor executivo, certo?

dados do google de marketing empresarial

3. A estratégia deve ser focada nas buscas pela marca

Na verdade, os clientes em potencial começam com procuras genéricas. Em 71% dos casos, o responsável pela busca usará um termo genérico – como um produto ou serviço – antes de, de fato, buscar pela marca. É preciso entender que o comprador realiza muitas pesquisas antes de escolher uma marca. Segundo os dados do Google, o número médio de pesquisas antes da decisão é de 12 buscas. É importante, então, logo depois de aprender como criar um site um bom trabalho de SEO para que sua marca apareça nessas pesquisas!

engajamento e buscas no google

4. Empresas não usam internet móvel

Se pessoas se conectam por celulares, por que empresas não o fariam também? Segundo a pesquisa, 42% dos compradores utilizam smartphones ou tablets em alguma etapa da busca. É um pouco menos da metade, mas ainda é uma grande fatia. E ainda vai subir, de 2012 para 2014 o número de pesquisas empresariais em dispositivos móveis subiu 91%. A principal utilidade dos celulares, no momento, é fazer comparação de preços abrindo dois sites ao mesmo tempo em um computador e um dispositivo móvel. Mas compras também acontecem! 22% das aquisições empresariais são feitas a partir de um smartphone.

sua marca é procurada em dispositivos móveis

5. Vídeos só servem para ganhar notoriedade

O uso de vídeos online em marketing teve um crescimento considerável nos últimos anos. E não apenas para tornar o nome da marca conhecido. 70% dos compradores utilizam vídeos durante todo o processo de pesquisa e compra. Mais de 895 mil horas de vídeos produzidos por empresas foram assistidos no YouTube em 2014. Quase metade dos compradores assiste pelo menos meia hora de vídeo de uma só vez, enquanto 20% veem até mais de uma hora.

tempo gasto com marketing empresarial em vídeo

Como ficou bem explícito, a maioria dos mitos apresentava uma opinião fundada em características que talvez fossem verdadeiras em um passado não tão distante. No entanto, o mercado agora é mais jovem e mais aberto para novidades. Novidades estas que você pode ter em primeira mão acompanhando o blog SitePX para dicas de empreendedorismo e como criar um site de sucesso. Até o próximo post!

Crédito das imagens: Google/Millward Brown Digital, B2B Path to Purchase Study, 2014.
Categoria: Conteúdo
Compartilhar

A nova cara da navegação móvel para empresas

Publicado por Júlio Rocha em 11/03/2015 às 10h52

futuro na navegação móvel

A evolução da navegação móvel é uma coisa louca. Hoje em dia, ao criar um site você deve essencialmente pensar em uma versão mobile. No SitePX você aprende como fazer um site de sucesso já pronto para dispositivos móveis. A evolução tecnológica é tão rápida que se alguém parar de acompanhar por mais ou menos um ano, quando tiver acesso a outro celular provavelmente vai se sentir como um homem das cavernas que viajou para os tempos modernos. Todo ano é lançada uma infinidade de novos modelos de smartphones com diversas tecnologias diferentes. E, como na teoria evolucionista de Darwin, as novidades que vencem as adversidades e caem no gosto do público sobrevivem e são passadas adiante.

O Mobile World Congress (MWC) é um evento que acontece anualmente para – além de anunciar novos aparelhos que chegarão ao mercado – debater quais são as tecnologias que estarão em destaque em um futuro próximo. Neste mês de março, os lançamentos e discussões do MWC 2015 mostraram que a navegação móvel está mudando e se tornando mais amigável para empresas que saibam como investir. O blog SitePX reúne as principais mudanças e as discute aqui e agora!

Wearables e a Internet das Coisas

Internet das coisasA Internet das Coisas é um conceito não tão moderno assim – já é debatido com esse nome desde os anos 1990 – mas, mais do que nunca, tem sido muito comentado. De forma simples, trata-se da presença de conectividade em objetos simples do cotidiano, como seu tênis ou a geladeira.

Se há 15 anos a internet ainda não tinha mobilidade suficiente para fazer com que o conceito fosse mais amplamente praticado, hoje a situação mudou. Um dos anúncios que mais empolgaram no MWC 2015, por exemplo, foi o Huawei Watch, relógio inteligente equipado com o Android Wear. Na mesma semana, a Apple anunciava seu próprio relógio com acesso à internet e funções de smartphone.

Dessa forma, a navegação móvel não deve ser pensada como algo limitado aos smartphones e tablets. Em pouquíssimo tempo, o usuário da internet estará literalmente conectado da cabeça aos pés, por meio dos wearables. As empresas que souberem aproveitar essa nova característica terão uma avalanche de ideias empreendedoras para por em prática.

Usuários domésticos e corporativos

Os desenvolvedores de softwares e hardwares já não têm em mente apenas o público doméstico. O Android, por exemplo, anunciou um pouco antes do evento o novo recurso chamado Android for Work, cujas vantagens para empresas foram bem exploradas na MWC 2015. A mais básica delas é a separação dentro do celular dos softwares de uso pessoal e profissional.

Em termos de hardware, a empresa Suíça Silent Circle anunciou o Black Phone 2. Aparelho com segurança reforçada pensando, justamente, nos clientes corporativos. Além disso, as palestras ressaltaram a importância de investir em smartphones de preço menor, já que hoje em dia é possível oferecer um equipamento poderoso por um preço razoável. A Microsoft, para não ficar atrás, anunciou dois novos modelos do Nokia Lumia e ainda deixou no ar que o Windows 10 trará novidades.

Você, empreendedor, acompanha as novidades da navegação móvel?

Já possui uma estratégia para sua empresa voltada para esse público? Se não, saiba que está perdendo grandes oportunidades. Se quiser mais dicas de como aproveitar as novidades e inovações do mercado, acompanhe o blog SitePX e aprenda como criar um site de sucesso.

Categoria: Conteúdo
Compartilhar

Sugestão: O que o filme Chef ensina sobre redes sociais

Publicado por Júlio Rocha em 09/03/2015 às 13h14

a família do filme Chef

Nem sempre é preciso um livro denso e complexo para ensinar uma lição valiosa para por em prática ao criar um site. Às vezes, aprender como fazer um site ou simplesmente fazer uma boa gestão de redes sociais pode ser explicado em uma comédia simples e despretensiosa, como o filme Chef, que passa uma mensagem inteligente e da qual se pode tirar proveito. Por isso, o post de hoje do blog do SitePX não é apenas uma dica de como criar um site de sucesso, mas, também, uma sugestão cultural.

Scarlett Johansson está no filmePara começar, uma explicação sobre o que é o filme. Chef, lançado em 2014, é dirigido, escrito e protagonizado por Jon Favreau. Uma curiosidade é que Favreau é diretor dos dois primeiros filmes do Homem de Ferro – o que deve ter facilitado as participações de Scarlett Johansson e Robert Downey Jr. O roteiro do filme – com elementos autobiográficos do diretor – é sobre a história de Carl Casper, um Chef de cozinha que precisa se reinventar após receber um crítica negativa de um grande crítico. Uma mistura da animação Ratatouille e do filme Birdman, vencedor do Oscar.

Já no começo, a história mostra a força da internet na reputação de um empresário, no caso, o chef de cozinha. Após a publicação da crítica, Carl Casper vira piada no Twitter. Até o momento, o Chef nem sabia o que era a rede social. Tudo muda, no entanto, quando seu filho cria um perfil do Twitter para o pai. Ainda inexperiente, a primeira ação de Carl na internet é mandar um tweet ofensivo para o autor da crítica. Não é nem preciso dizer que isso acabou com sua carreira no restaurante em que trabalhava até então.

O Chef em seu food truckPorém, quando começou a parecer que a única alternativa seria pendurar as espátulas, Carl decidiu inovar e trocar os restaurantes pelo seu próprio food truck. Para seu próprio bem, quem assumiu as redes sociais do novo projeto foi seu filho Percy e, só assim, o sucesso voltou.

Diferente do pai, Percy soube enxergar como as redes sociais poderiam se aliar ao novo modelo de negócio de Carl. O Twitter, por exemplo, se tornou o principal meio para avisar os ávidos pelos excelentes sanduíches do pai onde o food truck estaria passando. Sabendo aproveitar o status de meme que Carl ganhou na internet, o garoto também passou a utilizar o Vine para postar vídeos bem humorados do Chef no dia a dia.

Claro que na vida real, a função exercida pelo garoto deveria ser de um profissional de social media. No entanto, a lição ainda é válida: saiba utilizar as redes sociais que se adaptem ao seu negócio. Percy escolheu bem e soube utilizá-las para divulgar o food truck. Foi um questão de enxergar as características próprias da forma como seu pai trabalhava e transformá-las em pontos positivos utilizando o poder do social media. Veja o trailer do filme:

Você sabe dizer quais são as principais características do seu negócio? Se precisar, o SitePX possui um texto sobre as peculiaridades do público das principais redes sociais. Combinando as dicas do filme Chef e os posts sobre empreendedorismo e como criar um site de sucesso do Blog do SitePX, sua empresa pode dominar a internet!

Categoria: Conteúdo
Compartilhar

Qual é o público das principais redes sociais?

Publicado por Júlio Rocha em 06/03/2015 às 10h19

principais redes sociais

É chover no molhado dizer que as redes sociais são fundamentais para divulgar um empreendimento após criar um site. Entretanto, movimentar diariamente diferentes redes sociais pode ser muito trabalhoso, especialmente para empresas que trabalham com equipes pequenas. Assim, é interessante saber quais são as redes que contemplam melhor o público-alvo da empresa.  O site americano Britton de marketing e design fez um levantamento de dados demográficos sobres os usuários das principais redes sociais.

Mesmo contemplando um público americano, os dados são de extrema relevância para empreendedores e marqueteiros de todo mundo. Afinal, graças à globalização ainda mais evidente na internet, o público das redes sociais é muito parecido no mundo todo. Neste espaço, os dados serão listados na ordem da rede mais popular para a mais segmentada. Engana-se, porém, quem acha que o alcance geral é o mais importante. Falar para um público menor que se identifica com a sua fala é mais eficaz do que tentar se comunicar com uma grande massa de pessoas menos interessadas.

Facebook

facebookA rede gigante da internet fideliza 71% dos internautas americanos. As mulheres são as que mais se interessam pela rede, 76% delas usam, contra 66% dos homens. Quanto à renda, o público é bem distrubuído. Tanto a classe média mais alta quanto a mais baixa atingem a marca de 76% de dedicação, seguido da classe mais abastada com 69% e a mais baixa com 68%.

No que diz respeito à localização geográfica, 75% dos moradores da área urbana utilizam o Facebook, enquanto a zona rural está presente com 71%. Logo atrás, vêm os subúrbios de classe alta com 69%.

Jovens e adultos entre 30 e 49 anos são os principais usuários da rede. 84% dos internautas entre 18 e 29 anos de idade utilizam o Facebook e a outra faixa etária passa perto com 79%. Porém, o público mais velho ainda não aderiu de vez. Na faixa entre 50 e 64 a proporção cai para 60% e acima dos 65 anos para apenas 5%.

Linkedin

LinkedinO segundo lugar já apresenta uma grande queda na fatia de internautas americanos, 22% usa a rede. A preferência, dessa vez, é dos homens. 24% dos homens utilizam a rede, contra 19% das internautas. E neste caso, o público jovem é mais rarefeito. As principais fatias ficam para os grupos entre 30 e 49 anos (27%) e de 50 a 64 (24%). E o LinkedIn é a rede social favorita dos usuários acima de 65 anos! 13% dos usuários sênior utilizam a rede, a maior porcentagem para a faixa etária.

O LinkedIn se mostra uma rede elitizada. É procurada principalmente por usuários de maior poder aquisitivo, 38% e, de preferência, com pelo menos uma pós-graduação, 38%. No que diz respeito a gêneros, a rede é bem equilibrada. 24% dos internautas homens usam, as mulheres estão presentes em 19% dos cadastros.

Twitter

TwitterUma disparidade entre o público americano e brasileiro surge quando se fala em twitter. Lá fora, o microblog conta com 18% do total de usuários da internet, atrás dos 21% do LinkedIn e do Pinterest. No Brasil, o Twitter só fica atrás do Facebook e do Google . Mas o perfil do usuário ainda é parecido.

A principal característica do Twitter é ser voltado para o público jovem, 31% dos internautas até 29 anos utilizam a rede. Em termos de classe social, gênero e escolaridade os números são bem equilibrados.


Instagram

instagramA rede voltada para fotografias atrai 17% dos internautas americanos, não ficando muito atrás do Twitter e Linkedin. É, também, uma rede bem equilibrada em termos demográficos, mas com algumas características de destaque. Para começar, o Instagram atrai mais mulheres (20%) do que homens (15%).

O interesse pela rede diminui com a idade. O público jovem (até 29 anos) atinge uma marca de 37% dos internautas, a fração diminui para 18% na faixa até 49 anos e é quase nula para usuários mais velhos. Lembre-se, no entanto, que o Instagram é voltado para empresas que possuam material de imagem.

Tumblr

tumblrA porcentagem baixa de usuários do Tumblr talvez espante marqueteiros e administradores, apenas 8% dos internautas utilizam a rede. No entanto, não se pode ignorar a fidelidade dos internautas jovens (13%) e de classes média e alta (6% e 8%). Se sua empresa não é voltada para esse público, no entanto, o Tumblr é não é a melhor alternativa.

Com essas, o infográfico já cobre as principais redes sociais utilizadas no mundo. Há ainda o Pinterest, mas esta rede não atrai tantos usuários brasileiros. É interessante notar que o Britton não fez a análise do Google , mesmo ele tendo números totais semelhantes aos do Facebook. O motivo disto deve ser a falta de engajamento na rede, já que muitos usuários são forçados a ela quando criam um e-mail do Google.

Agora você já sabe em quais redes sociais investir seu tempo e dinheiro! A única rede que talvez seja obrigatória é o Facebook pois, de fato, todos os públicos estão lá. Todavia, não há porque investir esforços no Linkedin, por exemplo, se a empresa lida com o público jovem do Tumblr. Confira mais dicas sobre redes sociais e como criar um site do sucesso seguindo o blog do SitePX!

Categoria: Conteúdo
Compartilhar

Desafios da publicidade em dispositivos móveis

Publicado por Júlio Rocha em 04/03/2015 às 14h25

publicidade móvel

Quando você pensa em criar um site, logo você tem que pensar em como criar um site pronto para dispositivo móvelExiste um conceito chamado viewability que vem assombrando algumas campanhas de publicidade. No que diz respeito aos dispositivos móveis, o problema é ainda mais acentuado. É difícil mensurar o quanto as propagandas em tablets e smartphones são efetivamente vistas por pessoas, o que pode atrapalhar o acompanhamento do desempenho de uma campanha.

É importante lembrar que a divulgação de publicidade é importante tanto para o anunciante quanto para o veículo onde a anúncio é publicado. O primeiro lucra com a difusão da marca entre os consumidores enquanto o segundo lucra com o valor cobrado para disponibilizar o espaço publicitário. Ou seja, o veículo quer receber pelo espaço, mas o anunciante não quer pagar para não ter sua propaganda vista pelos usuários.

Essa dificuldade está motivando profissionais e pesquisadores da área para desenvolver padrões de mensuração do viewability. O Facebook, por exemplo, está trabalhando com o próprio Instituto Nielsen para atingir esses resultados. Para que você possa entender melhor essa discussão, o SitePX explica para você como funciona a viewability em dispositivos móveis com base no infográfico divulgado pelo Mobile Majority.

O que é viewability?

alegria da viewabilityO conceito de viewability está relacionado à capacidade do consumidor de visualizar determinado conteúdo, especialmente publicitário. Um banner no topo de um homepage, por exemplo, é anúncio com bom viewability. No caso do celular, alguns fatores como problemas de conexão podem fazer com que o usuário não consiga visualizar a propaganda, ou parte dela.

Inclusive, são esses fatores que geram a supracitada dificuldade de mensurar a viewability. Especialmente no caso das propagandas que rodam dentro de aplicativos. A conexão do celular, podendo ser desligada a qualquer momento, também dificulta.

O que está acontecendo ultimamente é que o anunciante precisa pagar pelo anúncio mesmo sem saber se ele está, de fato, sendo visualizado. Isso gera uma quantidade enorme de conteúdo desperdiçado e poder destruir campanhas, o que gera desconfiança no anunciante e dessa forma – também afeta negativamente os veículos.

Características da publicidade móvel

O processo para exibição de uma propaganda em dispositivos móveis é o seguinte: primeiro acontece o pedido para exibição, este pedido é analisado e depois há um microleilão para definir qual propaganda vai ao ar, então ela entra no servidor e, apenas depois de tudo isso, há a interação com o cliente. “Quanto tempo leva esse processo?”, talvez você se pergunte. Cerca de meio segundo é a resposta. É muito mais rápido do que aprender como criar um blog ou como fazer um site.

É rápido, de fato. Mas todo segundo (ou meio segundo) é valiosíssimo quando se fala de internet móvel. E um pequeno problema com qualquer uma dessas etapas pode fazer com que o usuário feche o aplicativo ou mude a página antes de visualizar o anúncio.

A forma de resolver essa dificuldade vem do esforço coletivo. Não à toa, o Facebook se juntou ao Instituto Nielsen, o IAM e o MRC para desenvolver uma métrica possível e solucionar as falhas. Mas enquanto isso não acontece de forma definitiva, é necessário se prevenir. Sempre que for comprar espaço para anúncio em dispositivos móveis, lembre-se de pedir uma garantia ao veículo de que seu anúncio estará bem localizado e que o sistema deles é confiável.

Não se esqueça de que o anúncio é uma das principais formas de divulgar um site. E divulgação é um dos caminhos para o sucesso. Enquanto isso, continue acompanhando o Blog do SitePX para mais dicas de empreendedorismo e como criar um site de sucesso.

Categoria: Conteúdo
Compartilhar

left show tsN fwR fsN|left tsN b01e fwR bsd show|left fwR tsN show|bnull||image-wrap|news login c05|fsN fwR normalcase tsN|c05|login news fwR normalcase|tsN fwR normalcase|normalcase fwR c05|content-inner||